Votorantim
Votorantim

Greve paralisa 70% das fábricas de cimento do País

Sindicado Nacional da Indústria de Cimento estima que apenas 3% da média diária de cimento tem chegado ao destino final; operação pode demorar três semanas para voltar ao normal

Igor Macário, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 20h54

A greve dos caminhoneiros tirou de operação cerca de 70% das fábricas de cimento do Brasil. De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (SNIC), apenas 3% da quantidade média diária de cimento conseguiu chegar ao destino final desde o início das paralisações.

+ 'Até o fim de semana, a situação irá se normalizar', diz presidente da Raízen

“Antes da paralisação, o setor distribuía em média 200 mil toneladas por dia. No inicio da greve, esse número passou para 10 mil toneladas por dia e agora não chega a 6 mil toneladas diárias”, afirma Paulo Camillo Penna, presidente do SNIC.

A queda brusca nas atividades do setor tem duas razões mais fortes. Tanto as paralisações têm impedido a chegada do cimento ao seu destino, quanto o próprio insumo ser muito perecível. "Os locais destinados ao armazenamento, por exemplo, são projetados para acumular no máximo três dias de produção”, explica Penna.

+ Forças Armadas estimam precisar de R$ 80 mi extras para cumprir 'missões' dadas pelo governo

Segundo a entidade, mesmo após o fim das paralisações, as fábricas de cimento precisarão de duas a três semanas para voltar ao funcionamento normal. A demora poderá elevar os custos do cimento, cenário que preocupa a indústria. 

Mais conteúdo sobre:
Cimento indústria greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.