Grevistas da ECT esperam chegar a acordo com Hélio Costa

'Desejo da categoria é sair do impasse', diz presidente da Federação dos trabalhadores dos Correios

Isabel Sobral, da Agência Estado,

18 de julho de 2008 | 17h24

O presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos (Fentect), Manoel Cantoara, afirmou nesta sexta-feira, 18, que a categoria, em greve há 18 dias, espera selar neste sábado, em reunião com o ministro das Comunicações, Hélio Costa, na sede da ECT, em Brasília, acordo que permita o encerramento do movimento. Veja também:Hélio Costa tenta acordo entre Correios e grevistas no sábadoGreve não exime pagamento de contas em dia, diz Procon Proposta de funcionários dos Correios é formalizada nesta sexta "Temos muita expectativa em relação a essa reunião, pois o desejo da categoria é sair do impasse", assinalou Cantoara. Alinhou três pontos como os principais obstáculos na negociação com a diretoria da ECT: renegociação do Plano de Cargos e Salários, o pagamento permanente do abono de 30% e o desconto dos dias parados. A ECT propôs ao Tribunal Superior do Trabalho discutir o Plano de Cargos com a mediação do TST, pagar o abono de 30% por três meses a título de bônus emergencial e nesse período de três meses negociar sua incorporação ao salário-base; e desconto de 50% dos dias parados, com os restantes 50% compensados por horas de trabalho adicional, com a garantia de não demissão pela greve(os trabalhadores concordam com a compensação, mas sem nenhum desconto dos dias parados). O presidente da Fentect informou que a entidade protocolou, pela manhã, no TST, sua contraproposta, enfatizando os três pontos. Segundo ele, se for fechado o acordo neste sábado com o ministro das Comunicações, serão convocadas assembléias estaduais na segunda-feira para votar a suspensão da greve. Cantoara disse que as entregas de correspondências e encomendas estão paralisadas em 23 Estados e no Distrito Federal, divergindo dos dados da ECT, pelos quais até quinta-feira mais de 67% das correspondências e mais de 96% das encomendas haviam sido entregues desde o início da paralisação, no último dia 1º. O presidente da Fentect declarou estar sendo cumprida a determinação do TST de no mínimo 50% dos 110 mil funcionários dos Correios trabalhando. Bauru Em Bauru, o sindicato dos trabalhadores dos Correios, que não aderiu à paralisação nacional, conseguiu na Justiça uma liminar para suspender o Plano de Carreiras, Cargos e Salários, contra qual os carteiros protestam.

Mais conteúdo sobre:
CorreiosGreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.