Grevistas da Eletrobrás têm reunião com Lobão

Será discutido no encontro desta quarta a retomada das negociações do acordo coletivo 2013/2014

Wellington Bahnemann, da Agência Estado,

16 de julho de 2013 | 16h29

RIO - As entidades sindicais e o ministro de Minas e Energia (MME), Edison Lobão, irão se reunir nessa quarta-feira para discutir a retomada das negociações do acordo coletivo 2013/2014 do grupo Eletrobras. "Essa reunião tem como objetivo abrir um canal de negociação", disse o diretor da Associação dos Empregados da Eletrobras, Emanuel Torres. Todas as empresas do Grupo Eletrobras estão em greve por tempo indeterminado desde a madrugada de ontem.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Energia, Água e Meio Ambiente (Fenatema), ligada à Força Sindical, e a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), da Central Única dos Trabalhadores (CUT), irão participar do encontro amanhã com o ministro Lobão. Segundo Torres, em torno de 90% dos empregados do Sistema Eletrobras, cuja força de trabalho é composta por 28 mil pessoas, estão parados no momento.

O sindicalista afirmou que os funcionários da área operacional que trabalham desde ontem de madrugada devem ser rendidos ainda hoje.

"O turno de uma equipe é de 8 horas. Se não há rendição, eles trabalham 24 horas ininterruptas. Essa condição começa a colocar em risco as pessoas", afirmou Torres. Por sua vez, as equipes de manutenção novamente não saíram a campo para realizar os serviços de rotina nos ativos de geração, transmissão e distribuição.

A greve ocorre por conta do impasse nas negociações entre a administração da Eletrobras e as entidades sindicais. Enquanto a estatal federal propõe reajustar os salários pelo IPCA entre maio de 2012 e abril de 2013, o que significa um aumento de 6,49%, os sindicatos pleiteiam reajuste atrelado ao índice do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o que seria um aumento de 6,88%, mais 4,3 ponto porcentual relativo ao crescimento médio do consumo residencial nos últimos meses.

"A Eletrobras nos ofereceu o reajuste pelo IPCA e disse que não poderia nos oferecer nada mais além disso", afirmou Torres.

Tudo o que sabemos sobre:
greveeletrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.