finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Grife Louboutin proíbe direita de usar seus saltos altos contra o Islã

Campanha usava a imagem de senadora que já foi miss belga usando os famosos sapato de solas vermelhas contra o islamismo

Efe,

17 de outubro de 2013 | 15h12

BRUXELAS - A justiça belga deu ganho de causa a uma ação movida pelo estilista francês Christian Louboutin e proibiu um grupo de extrema direita de usar a imagem de um dos sapatos da grife em suas campanhas.

Um sapato da Louboutin estava sendo usado em cartazes do grupo "Vrouwen tegen Islamering" (Mulheres contra a Islamização).

Tribunal de Comércio de Amberes obrigou o grupo a tirar todos os cartazes e materiais informativos nos quais os famosos sapatos da grife francesa com suas icônicas solas vermelhas eram usados para ilustar uma campanha contra o islamismo.

O

Ex-miss. "Liberdade ou Islam?", diziam os cartazes em que a senadora do partido de extrema direita Vlaams Belang Anke Van Dermeersch, ex-Miss Bélgica, usava os sapatos Louboutin.

Os cartazes assinalavam as diferentes alturas de uma saia para denunciar o veto às formas de vestir das mulheres muçulmanas.

O líder do partido, Flip Dewinter, publicou em sua conta no Twitter o novo cartaz que usará nas suas campanhas, e que foi levemente modificado (agora as solas são amarelas).

O estilista francês entrou com pedido na Justiça no início do mês pedindo a proibição da campanha após comprovar que a imagem dos seus produtos estava sendo usada com fins partidários sem o seu consentimento.

Tudo o que sabemos sobre:
luxo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.