Gripe avícola derruba bolsas de Hong Kong e Tailândia

A Bolsa de Hong Kong fechou em baixa pelo quarto pregão consecutivo, pressionada por uma onda de lançamentos de papéis e por notícias de novos casos de influenza aviária na China. O país confirmou hoje três casos e nove suspeitas do vírus em 10 regiões do país. Durante o fim de semana, foi levantada a suspeita de que duas irmãs que morreram em consequência da influenza no Vietnã tenham sido contaminadas por seu irmão, o que seria o primeiro caso de transmissão humana da doença. As ações de companhias aéreas foram as que mais perderam com os temores relacionados à influenza. Os papéis da China Southern Airlines caíram 5,7% e as da China Eastern Airlines recuaram 7,1%. No fim do pregão, o índice Hang Seng registrava baixa de 289,39 pontos (2,18%), em 12.999,98 pontos. Na Coréia do Sul, as ações fecharam em alta, graças a recuperação técnica. O índice Kospi terminou o dia em 854,89 pontos, alta de 6,39 pontos (0,75%). Em Taiwan, o mercado perdeu com realização dos lucros acumulados em janeiro e com a retração das ações em Wall Street na sexta-feira. O índice composto da Bolsa de Taipé recuou 55,42 pontos (0,87%) e fechou em 6.319,96 pontos. Nas Filipinas, o índice PSE caiu 61,25 pontos (4%) e terminou o dia em 1.447,05 pontos, com realização de lucros pelos estrangeiros. A Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, as preocupações com a influenza aviária derrubaram em mais de 4% o índice SET, maior queda desde setembro de 2001. O índice fechou em 667,33 pontos, após perder 31,57 pontos (4,5%). As bolsas da Indonésia, Malásia e Cingapura estiveram fechadas por causa de feriado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.