Groupon reduz expectativa de preço para IPO

Líder do mercado de compras coletivas espera levantar até US$ 540 milhões com oferta pública inicial de ações, e não mais US$ 750 milhões

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2011 | 03h06

O Groupon reduziu a expectativa para a sua abertura de capital. O maior site de compras coletivas do mundo anunciou ontem, em comunicado, que planeja levantar até US$ 540 milhões em sua oferta pública inicial de ações (IPO, do inglês). A companhia enfrenta um mercado acionário fraco, saída de executivos e questionamentos sobre sua contabilidade e seu modelo de negócio.

Em documento à Securities and Exchange Commission (SEC), autoridade americana do mercado de ações, a companhia de descontos diários via cupons informou que planeja emitir 30 milhões de ações na faixa de preço entre US$ 16 e US$ 18 cada, segundo o comunicado.

Isso significa que a empresa pode levantar entre US$ 480 milhões e US$ 540 milhões com a operação, dependendo da demanda dos investidores. A expectativa anterior, apresentada em 2 de junho, era de US$ 750 milhões.

A faixa de preço para as ações do Groupon era prevista para meados de setembro. A volatilidade das bolsas nos últimos meses fez com que a empresa adiasse seu IPO para a primeira semana de novembro.

A abertura de capital do Groupon está sendo apontada, por alguns analistas, como uma prévia do lançamento de ações do Facebook.

Segundo os documentos apresentados a SEC seu valor de mercado está atualmente entre US$ 11 bilhões e US$ 12 bilhões, distante dos US$ 20 bilhões que haviam sido apontados em junho. No ano passado, o Groupon recusou uma proposta de compra de US$ 6 bilhões, apresentada pelo Google.

A companhia iniciará um roadshow na próxima semana para atrair potenciais investidores para a oferta. O presidente do Groupon, Andrew Mason, o vice-presidente financeiro, Jason Child, e o diretor de produto, Jeff Holden, participarão do roadshow.

Resultado. O Groupon também divulgou números para mostrar que está mais próximo da rentabilidade. Seu prejuízo ficou em US$ 10,6 milhões no terceiro trimestre, abaixo dos US$ 49 milhões do mesmo período do ano anterior. O faturamento da empresa passou de US$ 81,8 milhões entre julho e setembro de 2010 para US$ 430,1 milhões.

Segundo a companhia, o segmento internacional foi responsável por um prejuízo de US$ 20 milhões no trimestre passado, inferior à perda de US$ 52 milhões no período anterior.

No terceiro trimestre, o Groupon tinha 143 milhões de assinantes, comparados a 115 milhões no fim do período anterior. A empresa contabilizou 30 milhões de clientes no terceiro trimestre, ante 23 milhões nos três meses antes. / REUTERS, AP E EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.