Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Grupo Amaggi negocia compra da Fazenda Itamarati

Empresa da família do ministro Blairo Maggi estaria na reta final para adquirir propriedade de herdeiros de Olacyr de Moraes por US$ 300 milhões

Cátia Luz, Gustavo Porto e Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2018 | 00h49

A Amaggi, empresa da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), negocia a compra da Fazenda Itamarati, em Mato Grosso, que pertence aos herdeiros de Olacyr de Moraes, antigo ‘Rei da Soja’, morto em 2015. O negócio, estimado em cerca de US$ 300 milhões, está na reta final de conclusão, apurou o ‘Estado’.

Segundo fontes próximas à empresa, a fazenda está arrendada ao Grupo Amaggi desde 2002, e as negociações para a aquisição da propriedade estariam acontecendo há alguns meses.

Localizada em Campo Novo do Parecis, a 400 quilômetros de Cuiabá, a fazenda tem uma área total de 105 mil hectares, sendo 51,59 mil de área produtiva, com culturas como soja, milho e algodão. Na propriedade, que faz parte dos ativos da Companhia Agrícola do Parecis (Ciapar), trabalham cerca de 700 funcionários.

Procurada, a Amaggi informou em nota que está “participando das negociações visando a aquisição da totalidade das ações do capital social da Ciapar”, mas que a conclusão das negociações depende da “satisfação de condições precedentes a sua formalização”.

Procurado pela reportagem, o ministro Blairo Maggi negou a conclusão do negócio.

Além da Fazenda Itamarati, a família de Olacyr de Moraes detém a Usinas Itamarati, localizada em Nova Olímpia, a 200 km da fazenda. A empresa, maior processadora de cana-de-açúcar de Mato Grosso, chegou a ser a maior produtora de álcool do mundo.

Com 40 anos de operação, o Grupo Amaggi é o terceiro maior produtor de soja do País. O nome da companhia homenageia o pai de Blairo, André Maggi. A empresa está presente também na Argentina, Paraguai, Holanda, Noruega e Suíça. Hoje, o grupo atua na originação e comercialização de grãos e insumos; produção agrícola e de sementes de soja; operações portuárias, transporte fluvial e geração e comercialização de energia elétrica.

Somente em Mato Grosso, o grupo administra 252,3 mil hectares de terras para agricultura, pecuária e reflorestamento. Do total, 200,4 mil hectares em 19 fazendas próprias. O grupo emprega 3,9 mil funcionários.

Ministro. Absorvido pela política, o engenheiro agrônomo Blairo Maggi acabou se distanciando da linha de frente da companhia.

Durante mais de uma década, ele foi o maior produtor de soja do País. Hoje é o terceiro maior. Eleito governador do Estado de Mato Grosso em 2002, foi reeleito em 2006 e deixou o cargo para concorrer ao Senado. Para se dedicar à carreira pública, repassou a gestão de sua empresa, a um conselho administrativo presidido por Pedro Jacyr Bongiolo. Em maio de 2016, assumiu o Ministério da Agricultura. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.