Grupo americano compra rede de revendas no Brasil

O Group 1 Automotive, quarto maior no ramo de revendas de automóveis nos Estados Unidos, anunciou ontem a compra do brasileiro UAB Motors, formado por 21 concessionárias de várias marcas.

O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2013 | 02h05

O negócio é estimado em US$ 146 milhões, sendo que US$ 47,4 milhões serão pagos em dinheiro e mais 1,45 milhão de ações ordinárias da empresa, que também assumirá uma dívida de US$ 62 milhões do grupo local.

O UAB tem revendas em São Paulo e Paraná das marcas Toyota, Nissan, BMW/Mini, Renault, Peugeot e Jaguar/Land Rover. Pertence à família do empresário Lincoln da Cunha Pereira Filho e de seu irmão André Ribeiro, ex-corredor de Fórmula Indy, cuja rede de revendas teve, no passado, parceria com outro grupo americano, o Penske. Eles passam a ser um dos principais acionistas do Group 1.

Pereira Filho permanecerá no conselho do grupo UAB. A expectativa do Group 1 é de que a rede gere receita anual de US$ 650 milhões. A aquisição será concluída até o fim de fevereiro.

Em nota, o presidente do Group 1, Earl J. Hesterberg, disse que o grupo "está muito satisfeito com a oportunidade de expandir-se no Brasil, um mercado automotivo que cresce rapidamente, com o complemento à nossa companhia de ótimas marcas e do bem-sucedido time operacional da UAB". A nota cita que o Brasil é o quarto maior mercado de veículos novos do mundo, com vendas em 2012 de 3,8 milhões de unidades, e que possui um dos menores índices de veículos per capita entre os países em desenvolvimento.

Segundo Hesterberg, "entrar em um dos maiores mercados de veículos do mundo, com uma estrutura comercial e um time de administração e gestão bem estabelecidos proporciona ao Group 1 e aos acionistas uma oportunidade de crescimento incrível".

"Também estamos animados a expandir nosso relacionamento com algumas de nossas principais montadoras parceiras no mercado brasileiro. Como esse mercado continua a se desenvolver, estamos confiantes que podemos adicionar valor nos negócios de veículos usados, peças, serviços e na utilização de tecnologia e procedimentos", disse./ REUTERS e CLEIDE SILVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.