Estadão
Estadão

Grupo Boticário define novas metas de diversidade e de meio ambiente

Empresa quer 50% de mulheres na diretoria até 2025 e vai incentivar capacitação de trabalhadores que atuam na área de reciclagem de materiais usados em sua produção

Wesley Gonsalves, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2021 | 20h46

O Grupo Boticário divulgou nesta terça-feira, 20, uma lista com 16 metas de ESG (sigla em inglês para ações voltadas ao meio ambiente, sociedade e governança) a serem cumpridas pela companhia até 2030. Os compromissos para os próximos dez anos incluem o aumento da diversidade na equipe e também a redução de resíduos gerados na produção e na venda de produtos.

O grupo fixou objetivos em relação ao número de colaboradoras mulheres e de pessoas negras em todos os níveis de liderança. Conforme a empresa, os colaboradores negros devem representar 50% do quadro de funcionários até 2023, incluindo 25% dos postos executivos. Em 2025, a meta da companhia prevê 50% de mulheres na diretoria.

A empresa ainda se comprometeu com a criação de um comitê voltado exclusivamente para as discussões de diversidade e sustentabilidade. O órgão será responsável pela fiscalização em relação às metas ambientais, sociais e de governança. 

Meio ambiente

No campo ambiental, até 2030, o grupo pretende realizar o mapeamento e a reciclagem dos resíduos gerados em sua cadeia produtiva e de comercialização. Em 2020, a empresa decidiu reutilizar os frascos do perfume Malbec após o consumo, reduzindo em 210 milhões de toneladas o total de vidro novo utilizado na fabricação da linha.

Também em relação à política de gestão de resíduos, a companhia se comprometeu em atuar na área de capacitação e empreendedorismo de famílias que usam a coleta de materiais como fonte de renda. A expectativa é de que 1 milhão de brasileiros sejam beneficiado ao longo de uma década.

Para o vice-presidente do conselho de administração do Grupo Boticário, Artur Grynbaum, as metas são um novo passo na  agenda de políticas já em execução na gigante de beleza. “Temos uma longa atuação a favor da sustentabilidade e da conservação ambiental. O ESG não é uma agenda nova para nós, mas os novos tempos apresentam cenários complexos que exigem um comprometimento ainda maior”, disse, em comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.