Grupo Boticário investe R$ 37 milhões em centro do pesquisa

Equipe de pesquisa da empresa aumentou 40% nos dois últimos anos

Agência Estado,

21 de março de 2013 | 17h01

SÃO PAULO - O Grupo Boticário, que controla as unidades de negócio O Boticário, Eudora, Quem Disse, Berenice?, The Beauty Box e Skingen Inteligência Genética, inaugura hoje um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR). A nova unidade tem mais de 8 mil metros quadrados de área construída e comporta, inicialmente, uma equipe de 230 pessoas. A empresa investiu cerca de R$ 37 milhões.

"O empreendimento que temos aqui hoje é compatível com o que há de mais avançado no mundo, dentro do segmento de perfumaria e cosméticos", conta o presidente do Grupo Boticário, Artur Grynbaum.

De acordo com Grynbaum, aproximadamente metade do faturamento do Grupo Boticário é resultante dos lançamentos que a organização coloca no mercado por meio de suas unidades de negócio. "A inovação sempre esteve no DNA do Grupo Boticário. Somente em 2012, foram cerca de 1,6 mil produtos novos. Só o lançamento da unidade Quem Disse, Berenice?, inaugurada em setembro, envolveu o desenvolvimento de mais de 500 produtos em cerca de um ano", complementa, em nota.

Nos últimos dois anos, a equipe de Pesquisa e Desenvolvimento aumentou 40%, estruturando-se por categoria (perfumaria, maquiagem e cuidados pessoais). O Centro foi planejado para comportar, de forma eficiente e inovadora, este novo momento da organização e suportar o crescimento dos negócios. "Além de um aumento considerável de espaço e equipamentos, os ambientes foram concebidos para estimular a criatividade e integração de todas as áreas e pessoas envolvidas nos processos de pesquisa e desenvolvimento de produtos, incluindo as áreas de marketing das unidades de negócio do grupo", disse o diretor executivo de Operações do Grupo Boticário, Giuseppe Musella.

"Trabalhamos com uma média de 2 mil produtos em desenvolvimento simultaneamente. Por isso, cada detalhe que pudesse garantir a eficiência operacional foi fundamental para chegarmos ao nível de excelência deste novo espaço", afirma o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Boticário, Richard Schwarzer.

Mais conteúdo sobre:
boticario

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.