Michel Euler/AP
Michel Euler/AP

seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Grupo dono da Louis Vuitton vai desistir da compra da Tiffany por US$ 16 bilhões

Negócio, anunciado em novembro do ano passado, seria o maior da história da indústria de luxo; joalheria norte-americana deve entrar com um processo contra a companhia francesa para que a aquisição seja concluída

Reuters

09 de setembro de 2020 | 14h47

PARIS/NOVA YORK - A gigante francesa de bens de luxo LVMH disse que vai desistir da aquisição de US$ 16 bilhões da joalheria norte-americana Tiffany, em mais um acordo que deve fracassar diante dos impactos da pandemia de covid-19.

O cenário está armado para uma amarga disputa judicial: a Tiffany informou que estava entrando com um processo contra a LVMH para forçá-la a concluir negócio conforme o acertado em novembro do ano passado, acusando o grupo francês de retardar deliberadamente a conclusão da aquisição.

O acordo, que teria sido o  maior da história na indústria de luxo, foi fechado antes da pandemia, que atingiu duramente o setor e levantou dúvidas sobre se a LVMH, dona da Louis Vuitton, estava pagando caro demais pelo negócio.

A LVMH informou em comunicado que seu conselho recebeu uma carta do Ministério das Relações Exteriores da França pedindo-lhe para adiar a aquisição da Tiffany para depois de 6 de janeiro de 2021, dada a ameaça de tarifas adicionais dos Estados Unidos contra produtos franceses.

O grupo francês acrescentou que a Tiffany também havia pedido que adiasse o fechamento do negócio para 31 de dezembro deste ano, a partir de um prazo já estendido para 24 de novembro.

A empresa disse que seu conselho decidiu manter os termos do acordo de fusão original, que estabelecia que o negócio deveria ser concluído até 24 de novembro. "Da forma como está, o grupo LVMH não será capaz de concluir a aquisição da Tiffany", afirmou a empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.