Grupo Estado e ‘ESPN’ encerram parceria comercial

Estratégia é focar na marca ‘Estadão’ em várias plataformas

31 Outubro 2012 | 21h03

SÃO PAULO - O Grupo Estado e a ESPN não irão renovar em 31 de dezembro a parceria comercial que mantêm no rádio desde 2007. A decisão foi tomada em conjunto pelas duas empresas, dentro dos prazos previstos em contrato. A partir de 1º de janeiro a rádio Estadão ESPN (FM 92,9 e AM 700) passará a se chamar Rádio Estadão.

A mudança está alinhada com a estratégia do Grupo Estado de se concentrar na sua principal marca em várias plataformas. "Foi uma parceria bem sucedida, mas decidimos nos concentrar em nossas marcas próprias", afirma Francisco Mesquita Neto, diretor-presidente. "Agradecemos ao Grupo Estado pelos cinco anos de parceria, em que conseguimos servir ao fã do esporte também através do meio rádio. Para o futuro daremos continuidade à nossa estratégia multiplataforma", diz German Hartenstein, diretor geral da ESPN Brasil.

"Na 'Rádio Estadão', a grade de programação jornalística será ampliada, mantendo a cobertura esportiva", diz Acácio Luiz Costa, diretor geral da emissora. A programação jornalística já no ar, e que corresponde a cerca de 70% da rádio, não se altera, mas aumentará a presença dos ativos do Estadão na emissora.

"A programação será muito mais 'Estadão', como se todos os cadernos do jornal se transferissem para a rádio", diz Ricardo Gandour, diretor de conteúdo do Grupo Estado. A cobertura da programação cultural e de lazer da cidade de São Paulo será ampliada. Os blocos jornalísticos das manhãs, da hora do almoço e do final da tarde, que correspondem às três edições do rádio-jornal Estadão no Ar, serão mantidos. "A rádio construiu uma fórmula de sucesso, baseada na integração das redações do Grupo Estado, e que traz aos ouvintes informações e análises da cidade, do País e do mundo todo, ao vivo. Essa característica não se altera", diz Gandour. A prestação de serviços aos paulistanos também será reforçada.

Segundo o Projeto Intermeios, realizado pela revista especializada Meio & Mensagem em conjunto com a Price Waterhouse Coopers, o faturamento publicitário do meio rádio na Grande São Paulo cresceu 3% no acumulado de janeiro a agosto deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Nas emissoras do Grupo Estado, o crescimento foi de 13%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.