Grupo hacker já ameaçava atacar site do governo no Twitter

Alinhados a hackers que já atacaram sites do governo dos EUA, grupo brasileiro escolheu sites da Presidência do Brasil e da Receita Federal para atacar  

estadao.com.br,

22 de junho de 2011 | 12h44

Os simpatizantes brasileiros do LulzSec, grupo de hackers responsável por invadir sites do governo dos Estados Unidos e de grandes empresas, começaram a agir no País — escolhendo logo os sites brasil.gov.br, presidencia.gov.br e receita.fazenda.gov.br. O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) detectou o ataque nesta madrugada, entre 0h30 e 3h, e bloqueou todas as ações dos hackers, o que levou ao congestionamento das redes e deixou os sites indisponíveis durante cerca de uma hora. A invasão foi contida e dados e informações estão preservados, segundo o Serpro. (Veja aqui.)

Chamados de LulzSecBrazil, os hackers estrearam no Twitter há poucos dias e, logo nas primeiras mensagens, já ameaçavam atacar a rede do governo brasileiro quando alcançasse mil seguidores. "Se conseguirmos 1.000 followers até amanhã, iremos invadir o www.brasil.gov.br", disse o grupo em 18 de junho.

O Anonymous e o LulzSec se uniram com o objetivo de desenvolver a "Operação Anti-Segurança", que declara guerra aberta "contra todos os governos, bancos e grandes corporações do mundo".

O LulzSec já invadiu sistemas do Senado americano, da CIA, do FBI, da Nintendo e da Sony Pictures. E o Anonymous, além de supostamente invadir a rede de jogos online da PlayStation (a qual ficou suspensa por um mês), também estaria envolvido em ataques a redes dos bancos BBVA e Bankia, do grupo italiano de energia Enel e de vários governos, como Egito, Argélia, Líbia, Irã, Chile, Colômbia e Nova Zelândia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.