Grupo Multi, dono da Wizard, compra a rede Yázigi por R$ 100 milhões

Educação. Dias depois de receber investimento da Kinea, empresa de investimentos do Itaú, grupo expande portfólio com a meta de transformar a Yázigi em marca 'premium' e de dobrar o número de escolas da rede em até cinco anos

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2010 | 00h00

O Grupo Multi, da escola de inglês Wizard e da rede de cursos profissionalizantes Microlins, deu ontem mais um passo para consolidar sua posição de maior franqueador no setor de educação no País com a compra da pioneira escola de inglês Yázigi, fundada há 60 anos. O Multi, capitaneado pelo empresário Carlos Wizard Martins, comprou 100% da rede de ensino de idiomas por um valor estimado pelo mercado em R$ 100 milhões.

O negócio vem para confirmar a agressiva estratégia do grupo, que já fez cinco aquisições somente este ano. Na semana passada, o Multi recebeu R$ 200 milhões da Kinea, empresa de investimentos do Itaú, para novas compras. Segundo o presidente do Conselho de Administração do Multi, Charles Martins, o novo aporte não foi utilizado para o negócio com a Yázigi. Pelo menos no curto prazo, o atual presidente da Yázigi, Alexandre Silva, continuará à frente da rede.

Apesar de ter sido pioneira no setor de franquias no País, o mercado vê a Yázigi como uma marca que perdeu a oportunidade de dominar a consolidação do setor de ensino de idiomas - acabou engolida pelo Multi, que já tinha as redes Wizard, Alps e Skill. O objetivo do novo controlador é pelo menos dobrar a atual rede da Yázigi, de 420 unidades, em um prazo de dois a cinco anos. "Somente no ano que vem deveremos abrir 120 novas escolas", afirma Martins. "A Yázigi tem potencial para atingir o mesmo tamanho da Wizard, que hoje tem 1,2 mil unidades."

O presidente do Conselho do Grupo Multi afirma que a Yázigi tem boa aceitação nas classes A e B. "Será a nossa marca premium, que oferecerá diferenciais para quem está disposto a pagar um pouco mais", explica Martins, lembrando que a aquisição também adiciona ao portfólio do Multi o negócio de intercâmbio para aprendizado de idiomas. "A Yázigi foi o primeiro franqueador do País. E compramos a escola porque temos capacidade de investimento para garantir sua expansão", afirma o executivo.

Timidez. Para o consultor Marcelo Cherto, faltou ousadia à Yazigi. Com a expansão relativamente tímida da rede, a marca não perdeu a credibilidade, mas atualmente é mais lembrada por pessoas acima de 30 anos. "A marca ficou um pouco envelhecida, já não é referência para os mais jovens. Mas a rede tem qualidades, franquias com mais de 1,5 mil alunos. Ela deixou de crescer, mas não ficou com a imagem prejudicada", diz o presidente do Grupo Cherto, que considera a meta de dobrar o número de unidades da rede realista. "Acho que dá para chegar a 900 escolas", ressalta.

A estratégia multimarca é chave para o crescimento no setor de franquias, segundo Cherto. Hoje, na área de alimentação, redes como Bob"s, Habibs e Spoleto colecionam várias marcas diferentes, com o objetivo de atender públicos em momentos diferentes de consumo e sempre de olho na economia da operação. A lógica, diz ele, se aplica também à educação: "É o que o Carlos Wizard faz. Ele é agressivo e quer crescer com diferentes marcas, com o objetivo de abrir o capital da empresa dele."

PARA LEMBRAR

Yázigi foi "marco zero" em franquias

Embora não tenha crescido tanto quanto concorrentes como Fisk e Wizard - ambas com mais de mil escolas no País -, a Yázigi tem importância histórica por ter sido pioneira ao aplicar a estratégia de franquias em sua expansão. Fundada em 1950 em São Paulo, por Fernando Heráclio Silva e por César Yázigi - que deu nome à rede -, a empresa foi presidida durante vários anos por Ricardo Young Silva, filho do fundador, que foi candidato ao Senado pelo PV de São Paulo nas últimas eleições. Alexandre Silva, sobrinho de Fernando Heráclio, é o atual presidente. Segundo dados da empresa, o faturamento anual da rede gira em torno de R$ 230 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.