Grupo que promove o Cannes Lions abre escritório no Brasil

Empresa quer faturar até R$ 90 milhões no País em três anos e organizar eventos em áreas como educação e tecnologia

O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2013 | 02h11

O Top Right Group, companhia britânica que realiza grandes eventos de negócios e festivais - como o de Cannes -, anuncia hoje o início de suas operações no Brasil. Resultado de uma joint venture entre a empresa de private equity Apax Partners e o Guardian Media Group (dona do jornal The Guardian), o grupo quer aproveitar o crescimento do País para construir, em três anos, um negócio que gere receita de R$ 70 a R$ 90 milhões.

O presidente da Top Right, Duncan Painter, que está no Brasil para marcar o início das atividades, disse ver o mercado brasileiro com bons olhos, apesar de muitos alertarem para o fato de o País não estar crescendo tanto quanto no passado. "Temos uma visão diferente e acreditamos que o mercado vai crescer muito nos próximos cinco anos. Existe uma revolução do consumo acontecendo."

Parte dessa revolução, ele acredita, está no segmento de educação. Por isso, esse é um dos setores que a empresa pretende explorar no curto prazo. A i2i, uma das cinco empresas que integram a companhia, realiza um grande evento sobre ensino e tecnologia (chamado Bett) que será trazido para o País em novembro deste ano. "Em três anos, o Brasil terá um número maior de pessoas no sistema de educação do que a população inteira do Reino Unido", diz Painter.

O Top Right também concentrará seus esforços na moda. A WGSN - uma das agências de pesquisas de tendências mais conhecidas do mundo e que também integra o grupo - passará a ter estrutura própria em São Paulo. Até hoje, ela era representada no País pela empresa Mindset. A Top Right não confirma se a Mindset será incorporada ao negócio da companhia, mas diz que as empresas estão conversando.

A WGSN é o produto mais forte da Top Right no Brasil hoje. O serviço da agência consiste em fornecer informações para 270 clientes, principalmente do varejo de moda, sobre as novidades do setor. Os pesquisadores da empresa (time composto por designers, antropólogos, fotógrafos e jornalistas) viajam pelo País para detectar as tendências.

Atualmente, o Brasil responde por cerca de 1% do faturamento da Top Right. Com a abertura do escritório do grupo no País e a gerência local das atividades, a expectativa é de que essa participação suba para até 15% nos próximos três anos.

O executivo José Papa, que tem passagens pelo Grupo Estado e pela Time for Fun, é quem comandará a operação local. Entre US$ 10 milhões e US$ 15 milhões serão investidos no Brasil nos próximos seis meses.

Fazem parte da estrutura da Top Right cinco negócios: o festival de Cannes, a i2i, a 4C (onde está a WGSN), a Emap (empresa de mídia) e a Media Business Insights (de eventos sobre cinema e fotografia). A estratégia do grupo agora é focar no Brasil e na China./ NAYARA FRAGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.