Grupo quer ser líder global em call center

Com integração da Contax e da Dedic, companhia quer criar um gigante mundial até o fim deste ano

, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2011 | 00h00

RIO

A integração entre as companhias de call center do grupo Oi e da Portugal Telecom tem como objetivo chegar à liderança mundial do setor. "Vamos fazer com que essa empresa se torne líder mundial em call center. Podemos atingir isso até o fim do ano", afirmou Otávio Azevedo, o presidente da AG Telecom, uma das principais acionistas do bloco de controle da Oi.

Para alcançar a meta de liderança mundial, o executivo conta que o grupo está analisando outras operações potenciais. Segundo ele, as companhias perceberam as vantagens dessa integração durante as negociações para a entrada da PT no controle do grupo. A Contax, da Oi, vai incorporar a Dedic GPTI.

"Era uma evolução natural que (a operação) incluísse também esses ativos", explicou Azevedo. Para o executivo, o fato de os portugueses estarem mais focados nas operações no Brasil é importante para a Oi, que estreita suas relações com um parceiro de importância internacional.

O acordo de incorporação da Dedic pela Contax será deliberado em assembleias gerais das companhias. A expectativa é que, após uma complexa operação de troca de participações acionárias entre diversas empresas, a PT fique com 19,9% da CTX, empresa controladora da Contax, que passará a administrar as duas companhias de call center.

A relação de troca proposta pelas administrações de Contax e Dedic é de 0,0362 ação ordinária e 0,0363 ação preferencial da Contax para cada ação da Dedic, a ser ajustada por eventuais dividendos e assunção de dívidas.

Depois, as novas controladoras deverão comprar as ações do BNDESPar e dos fundos Previ, Petros e Funcef na CTX. A PT, segundo comunicado divulgado ontem, será responsável pela aquisição da participação do banco de fomento, enquanto La Fonte e AG Telecom comprarão as parcelas hoje em mãos dos fundos de pensão.

Criada em 2002 pelos portugueses, a Dedic adquiriu a GPTI, empresa de tecnologia da informação, em 2010, e tem a Vivo entre seus principais clientes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.