Grupo Sílvio Santos lança consórcio imobiliário

O Grupo Sílvio Santos anunciou hoje sua entrada no mercado de consórcios imobiliários. Batizado de Plano Minha Casa, o consórcio foi criado a partir de parceria entre três empresas do grupo: o Consórcio Nacional PanAmericano, que administrará as cotas; a PanAmericana de Seguros, responsável pelo seguro prestamista (um seguro de vida que, em caso de morte do titular, cobre o saldo devedor); e o SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), responsável pela divulgação do produto.Os idealizadores do consórcio apostam na sinergia entre as empresas para alcançar metas ambiciosas. Segundo o vice-presidente do Banco PanAmericano, Rafael Palladino, a intenção é encerrar 2002 com R$ 270 milhões a R$ 300 milhões em cotas vendidas. Para tanto, até março, Palladino espera atingir a marca de mil cotas comercializadas por mês. Como comparação, basta lembrar que todas as outras administradoras vendem, em conjunto, cerca de 4 mil cotas de imóveis por mês no Brasil.O Plano Minha Casa se baseará na estrutura já existente de comercialização de cotas da Consórcio Nacional PanAmericano, que possui mais de mil agentes que comercializam cotas de consórcio. A estrutura também envolve a montagem de um call center pela Uranet, empresa do grupo, capaz de atender 9 mil ligações por dia; divulgação por telemarketing para os clientes do Banco PanAmericano; a comercialização do "Plano Minha Casa" nas 81 lojas de crédito do PanAmericano; o site www.panamericano.com.br; o cadastramento e treinamento de corretores de imóveis e de seguros. "Além disso, os consorciados também poderão vender as cotas a amigos e parentes e serão comissionados por isso", afirmou Cohen.SorteiosPara arrematar a campanha, os adquirentes de cotas concorrerão, entre fevereiro e novembro, ao sorteio de dez casas com um carro na garagem e R$ 5 mil em barras de ouro. Para concorrer, o consorciado precisa optar pela contratação do seguro prestamista e estar em dia com suas parcelas.Desvantagens do consórcioNo consórcio, as pessoas pagam uma prestação mensalmente e apenas alguns são contemplados a cada mês, seja por sorteio ou lance. Ao final dos pagamentos, o grupo todo terá recebido o prêmio. A maior desvantagem é que se paga uma taxa de administração, algumas vezes equivalente aos juros de um financiamento.Caso a pessoa que faça um consórcio não seja contemplada logo no início, o investimento é ruim, pois ela paga a taxa de administração e só recebe o bem ao final. Nesse caso, como o cotista deverá pagar até o final para receber o produto da compra, o melhor seria ir poupando para comprar à vista, com direito a rendimento na fase da poupança e desconto na hora da compra. Ou então, entrar em um financiamento, em que o bem é concedido no ato e em troca paga-se uma taxa de juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.