Grupo Suez anuncia que disputará usinas do rio Madeira

G grupo vai disputar o leilão sozinho e só depois iria buscar sócios estratégicos

Alaor Barbosa, da Agência Estado

11 de julho de 2007 | 19h34

O grupo Suez vai disputar o leilão das usinas do rio Madeira, em Rondônia. A informação é do diretor do grupo, Victor Paranhos. Segundo ele, o grupo vai disputar o leilão sozinho e só depois, caso seja vencedor do leilão, vai buscar sócios estratégicos e no próprio mercado financeiro. Ele prevê, inclusive, que a nova empresa será listada no Novo Mercado, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Essa empresa será independente da Tractebel, que é do mesmo grupo, e que já é negociada na Bovespa.Paranhos acredita que o projeto terá custos bastante competitivos "para a energia que será gerada a partir de 2012". Ele admite que essa energia será mais cara do que a negociada atualmente. "O mundo todo está demandando mais energia e os equipamentos estão ficando mais caros. É natural que os preços da energia nova sejam mais elevados do que os atuais, mas a energia do Madeira será bastante competitiva", comentou.O executivo informou que o grupo tem interesse em apenas uma das duas usinas que serão leiloadas, seja a de Santo Antonio ou a de Jirau. "Nós não achamos adequado assumir riscos tão elevados em uma mesma bacia. Se vencermos o leilão de Santo Antônio não vamos disputar a usina de Jirau", comentou Paranhos.Ele espera que o processo seja definido "o mais depressa possível" caso o governo queira mesmo ofertar a energia para 2012. Para isso, as obras terão de ter início em maio de 2008, devido ao regime pluviométrico na região. "Entre novembro e abril é quase impossível fazer obras civis devido ao grande volume de chuvas", comentou. Se o leilão for adiado para o ano que vem, a usina só terá condições de gerar energia a partir de 2013, complementou.

Tudo o que sabemos sobre:
MadeiraUsinasEnergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.