Grupo Ultra anuncia mudança de comando

Thilo Mannhardt, ex-sócio da McKinsey e conselheiro da Ultrapar, vai substituir Pedro Wongtschowski como diretor-presidente

RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2012 | 03h07

O Grupo Ultra - dono de empresas como Ipiranga, Ultragaz e Oxiteno - anunciou ontem uma mudança de comando. Pedro Wongtschowski, diretor-presidente da Ultrapar, a holding do grupo, será substituído a partir de 1.º de janeiro de 2013 por Thilo Mannhardt, ex-sócio sênior da McKinsey e integrante do conselho de administração da Ultrapar.

"Há cinco anos, planejamos que a sucessão seria agora", afirmou Paulo Cunha, presidente do conselho de administração da Ultrapar. "Fizemos um processo de escolha muito cuidadoso, e, por isso, a sucessão será em seis anos, no lugar de cinco." Wongtschowski está à frente do grupo desde o começo de 2007.

"Foram seis anos extraordinários, com crescimento de 20% ano a ano e aquisições de novos negócios", disse Cunha. "A administração do Pedro colocou o grupo em outro patamar."

O presidente do conselho da Ultrapar afirmou que o novo diretor-presidente tem como missão dar continuidade a esse trabalho, e não reestruturar o grupo. "O Pedro recebeu o objetivo de dobrar o valor do grupo em cinco anos, e superou isso. O Thilo também vai receber essa meta, de dobrar o valor em cinco anos, seguindo a tradição."

Segundo Cunha, um dos objetivos de Mannhardt será "reforçar o equipamento humano" nas empresas do grupo. "Fiquei um pouco frustrado de que o sucessor não foi interno, porque não tinha ninguém pronto", disse o presidente do conselho. "Uma das missões do Thilo será preparar não só alguém, mas 'alguéns' para daqui cinco anos."

Mannhardt foi um dos responsáveis pelo lançamento e pela gestão da consultoria McKinsey no Brasil nas décadas de 80 e 90, tendo dirigido também as operações da empresa no México e na África do Sul. Cunha destacou que, apesar de vir da McKinsey, o executivo trabalha em projetos do Grupo Ultra há mais de 15 anos, e participa do conselho de administração da empresa desde abril de 2011.

"Fazer um anúncio antecipado de sucessão é inédito nas grandes empresas brasileiras, mas comum internacionalmente", afirmou Wongtschowski. "É um marco civilizatório no nosso mercado." A partir de 2013, Wongtschowski será integrante do conselho de administração da Ultrapar.

Expansão. Com cerca de 9 mil funcionários, A Ultrapar teve receita líquida de R$ 48,7 bilhões no ano passado, e lucro líquido de R$ 854,8 milhões. O grupo começou com uma empresa de venda de botijões de gás de porta em porta, em 1937, que deu origem à Ultragaz. Em 2007, a empresa adquiriu as operações do Grupo Ipiranga nas regiões Sul e Sudeste. O grupo também controla a Oxiteno, que atua no setor petroquímico, e a Ultracargo, de transporte e armazenagem.

A Ultrapar planeja investir R$ 1,088 bilhão este ano, valor que não inclui possíveis aquisições. A maior parte do investimento será destinada à Ipiranga, que receberá R$ 775 milhões, principalmente para a ampliação da rede de postos. "Buscamos oportunidades de aquisições em todos os negócios", disse Wongtschowski. Em abril, a Oxiteno anunciou uma aquisição nos EUA. A empresa pagou US$ 15 milhões por uma unidade de especialidades químicas da Pasadena Property, em Pasadena, no Texas.

"Foi somente uma aquisição pequena, somente o primeiro passo para entrarmos no mercado americano", explicou o diretor-presidente da Ultrapar. "Temos tecnologia, processos e produtos para alcançarmos o sucesso nos EUA."

"Nenhuma empresa do setor petroquímico pode estar fora dos EUA", afirmou Cunha. "A matéria-prima custa a metade do que custa no Brasil. A energia é um terço. Não dá para ser competitivo sem estar nos EUA." A Oxiteno também tem operações no México e na Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.