Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Guardia afirma que governo tem o compromisso de fazer a melhor transição possível

Atual ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, também classificou a reforma da Previdência e a tributária como maiores desafios do próximo governo

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2018 | 16h32

BRASÍLIA- O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse nesta quarta-feira, 31, ter o compromisso de fazer "a melhor transição possível". Durante o Prêmio Desempenho Funcional, que premia funcionários do Ministério da Fazenda, Guardia afirmou que entregará o Brasil melhor do que recebeu. O ministro aproveitou seu discurso para fazer um balanço de sua gestão na pasta, que chegará ao fim com o novo governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). 

"Temos um novo ministro da Fazenda anunciado (o economista Paulo Guedes), temos que trabalhar todos juntos. Temos o compromisso de fazer a melhor transição possível", disse. 

Em seu discurso, a secretária-executiva da Fazenda, Ana Paula Vescovi, ressaltou o papel dos servidores no processo de transição. "A aspiração dos brasileiros é que haja união em torno das propostas que foram legitimadas nas urnas", completou. 

Guardia era secretário-executivo e assumiu o ministério em abril, quando o então titular da pasta, Henrique Meirelles, deixou o posto para concorrer à presidência da República. "Recebemos o País com uma crise sem precedentes e conseguimos encaminhar os principais desafios que temos pela frente. Saímos de cabeça erguida, temos a consciência tranquila de que conseguimos entregar o Brasil melhor do que recebemos", afirmou. 

Entre os feitos de sua gestão, o ministro destacou avanços na área fiscal, lembrou negociações "extremamente difíceis" no Congresso Nacional e reformas como a criação do teto de gastos e a trabalhista. "Seguimos o rumo do compromisso fiscal, com transparência e eficiência da economia", completou. 

Guardia reforçou que a reforma da Previdência e a Tributária são os grandes desafios que o País tem pela frente. "A agenda de reformas nos permite colocar o País na trilha do crescimento sustentável", acrescentou. 

O ministro citou o avanço do Brasil no relatório Doing Business do Banco Mundial, divulgado hoje, em que o País passou da 125ª colocação para a 109ª posição. Ele disse que a melhoria do ambiente de negócios é fundamental para o País e que é preciso retomar investimentos. "É o que de fato vai sustentar o investimento de longo prazo", completou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.