Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Guedes afirma que regras trabalhistas não serão mudadas pela PEC da Previdência

Ministro da Economia classificou a atual legislação trabalhista como um conjunto 'fascista' de leis ultrapassadas

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2019 | 11h05

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender nesta quinta-feira, 7, a criação de um novo regime trabalhista, com mais empregabilidade para os jovens, mas com menos direitos, o que segundo ele reduziria o custo de contratação para as empresas. Ele enfatizou, no entanto, que essa mudança não será proposta ao mesmo tempo em que a reforma da Previdência para não atrapalhar a tramitação da mudança no regime de aposentadorias.

"É muito cedo ainda para falarmos de mudanças trabalhistas. Quando o presidente voltar, vamos mostrar várias simulações", disse Guedes ao sair de café da manhã com investidores. "As regras trabalhistas não estão sendo mudadas pela PEC da Previdência. Não vamos misturar os assuntos para não atrapalhar o trâmite da reforma", acrescentou. 

A minuta da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência foi antecipada pelo Estadão/Broadcast na segunda-feira, 4. 

Guedes voltou a classificar a atual legislação trabalhista como um conjunto "fascista" de leis ultrapassadas que não serviriam mais para garantir o emprego dos mais jovens. "Queremos libertar os jovens de um regime obsoleto, atrasado e injusto, que não proporciona hoje emprego para eles", acrescentou o ministro.

Segundo ele, mais de 46 milhões de trabalhadores brasileiros estão na informalidade atualmente, devido aos altos encargos que incidem sobre a folha de pagamentos das empresas. "Cada emprego hoje custo dois porque os encargos são muito altos. Para cada jornalista contratado, há um desempregado", afirmou.

O ministro enfatizou que no novo sistema as empresas terão custo zero com a folha de pagamentos. "A carteira verde e amarela é um sistema diferente, com empregabilidade grande. Haverá escolha entre um regime de muito direito e pouco emprego, e outro de pouco direito e muito emprego", acrescentou.

Para Entender

Reforma da Previdência: confira quais são as propostas do governo Bolsonaro

Texto preliminar da Proposta de Emenda à Constituição da reforma da Previdência foi obtido pelo 'Estadão' com exclusividade

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.