Sergio Lima/AFP
Sergio Lima/AFP

Guedes ameniza embate entre Poderes e diz que há um clima de respeito institucional

Segundo Paulo Guedes, que se reuniu nesta quinta-feira com o presidente da Câmara, a reforma da Previdência 'vai deslanchar'

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2019 | 15h10

BRASÍLIA - Em um clima apaziguador, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, apesar dos ruídos e do "barulho", há um clima de respeito institucional entre os Poderes, dispostos a tocar a reforma da Previdência. Ele esteve hoje na casa do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) para um almoço com deputados. "A reforma vai deslanchar, eu tenho recebido muito apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia", disse.

Guedes deve ir à Câmara na próxima quarta-feira para prestar explicações aos deputados na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ). Ele deveria ter ido na última terça-feira, mas cancelou a ida em cima da hora. "(Maia) me sugeriu inclusive que eu esperasse a escolha do relator, esperasse um pouco mais, para ser uma visita um pouco mais construtiva. Ele me deu essa orientação", disse Guedes, que afirmou que na próxima semana irá com mais tranquilidade para debater.

O ministro admitiu que há um problema de comunicação, mas colocou panos quentes e disse que todos os Poderes estão fazendo esforços para defender a reforma. "Eu acredito muito que os principais Poderes sabem que, apesar dessa coisa que dá muita notícia, dá barulho, sabem da importância do desempenho de cada um do seu papel institucional para fazer a reforma", disse. "Presidente Bolsonaro me deu todo apoio para fazer a reforma, ele desenhou, assinou e foi lá comigo entregar para o Maia. Então ele sabe da importância dele para isso", disse.

Ele afirmou também que há apoio do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). "Estou muito confiante de que os poderes independentes estão harmonicamente buscando o aperfeiçoamento institucional do Brasil", disse. "O barulho está um pouco acima porque houve esse choque inicial, mas eu tenho sido testemunha de que todos estão empenhados", afirmou.

Ainda sobre o Senado, ele brincou sobre a conversa com a senadora Kátia Abreu (PDT-TO), ontem, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). "Durou pouquinho, foi só questão de quem ia falar primeiro", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.