Gabriela Biló/ Estadão
Paulo Guedes, ministro da Economia Gabriela Biló/ Estadão

Guedes critica a possível mobilização de funcionários federais por aumento salarial

'Acho que seria do interesse do funcionalismo não criar muita onda agora', disse o ministro da Economia, criticando a iniciativa que, segundo ele, poderá se voltar contra o próprio movimento

José Fucs, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2020 | 04h00

Ao comentar a possível mobilização do funcionalismo federal por aumentos salariais, o ministro Paulo Guedes, da Economia, criticou a iniciativa e disse que ela poderá se voltar contra o movimento.

“Qualquer onda do funcionalismo para pedir aumento de salário agora, mais privilégios, seria uma demonstração colossal de insensatez”, afirmou ao Estado. “Com 40 milhões de brasileiros sem carteira assinada, acredito que, se isso ocorrer, poderá levar a opinião pública a exigir medidas muito mais duras do que as que nós vamos propor para os funcionários atuais. Na reforma administrativa, estamos poupando o funcionalismo na questão da estabilidade e não estamos falando nada de salários atuais.”

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
São pessoas que têm estabilidade no emprego, privilégios na aposentadoria. Acho que seria do interesse do funcionalismo não criar muita onda agora.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Paulo Guedes, ministro da Economia

Nos últimos 15 anos, segundo Guedes, o funcionalismo federal teve mais de 50% de aumento real (acima da inflação) nos salários, enquanto o Brasil mergulhou no desemprego em massa. “São pessoas que têm estabilidade no emprego, privilégios na aposentadoria. Acho que seria do interesse do funcionalismo não criar muita onda agora.”

Em resposta a uma pergunta sobre um possível amolecimento de Bolsonaro em relação à reivindicação dos servidores, Guedes disse acreditar que “ele sabe a diferença entre um presidente forte e popular e um populista e fraco”. 

Em referência à iniciativa do governo do Distrito Federal de pedir recursos da União para pagar aumento dos funcionários locais, o ministro afirmou que “está havendo mal-entendido, com o pessoal achando que estamos querendo dar aumento de salário”. De acordo com ele, “em nenhum momento” Bolsonaro quis dar um sinal verde para a deflagração de uma onda de reinvindicações salariais dos servidores federais.

“O dinheiro que eles estão pedindo é do próprio Distrito Federal, de um fundo deles administrado pela União. Não é do governo federal”, disse.  “Eles é que querem dar aumento ao funcionalismo, com dinheiro deles mesmos.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

De volta das férias, Guedes afirma que reformas serão retomadas até fevereiro

Após sofrerem ajustes defendidos por Bolsonaro e pelas principais lideranças políticas, como a manutenção da estabilidade para o funcionalismo e a exclusão de um imposto tipo CPMF, tributária e administrativa estão praticamente fechadas

José Fucs, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2020 | 04h00

Depois de dez dias de férias nos Estados Unidos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, desembarcou na segunda, 13, em Brasília dizendo que vai retomar a agenda de reformas. Segundo ele, a proposta para a área administrativa, cujo envio ao Congresso foi sustado pelo presidente Jair Bolsonaro no final de 2019, deverá ser encaminhada à Câmara entre o final deste mês e o início de fevereiro. Em relação à reforma tributária, a ideia é apresentar o projeto de forma quase simultânea ao da administrativa, pois já haveria acerto para ser analisado por comissão mista do Congresso.

“O presidente continua comprometido com as reformas. Uma coisa é o timing político, outra é o conteúdo das reformas”, disse Guedes, em entrevista ao Estado por telefone no domingo à noite. “O presidente deu algumas sugestões que foram adotadas. Os presidentes da Câmara (Rodrigo Maia) e do Senado (Davi Alcolumbre) também deram as suas sugestões, e isso está sendo conduzido em conjunto. Agora, em vez de mandar uma versão das reformas com muita potência e depois o negócio ser esfacelado, a calibragem está sendo feita antes.”

Após sofrer ajustes defendidos por Bolsonaro e lideranças partidárias – como a manutenção da estabilidade para os atuais servidores, no caso da reforma administrativa, e a exclusão de imposto nos moldes da antiga CPMF, no caso da tributária –, as duas propostas estão praticamente fechadas. De acordo com Guedes, elas receberam sinal verde do Palácio do Planalto para ser enviadas ao Congresso.

Nos bastidores, comenta-se ainda que a alegada preocupação de Bolsonaro com a possibilidade de a reforma administrativa turbinar protestos parecidos aos vistos no Chile teria se dissipado.

O ministro afirmou que, nas últimas semanas, houve também negociações da equipe econômica com os demais ministérios para superar resistências à reforma administrativa. “Nós mesmos, dentro do governo, tivemos de conversar para os demais ministérios verem que a reforma está baseada em princípios gerais”, disse. “Muitas categorias do funcionalismo também quiseram examinar a proposta e saíram felizes com o que viram.”

Propostas

Na essência, os dois projetos deverão seguir as linhas das últimas versões divulgadas pela equipe econômica. Além da restrição à estabilidade aos novos servidores, a reforma administrativa deverá reduzir o número de funções, das atuais 180 para em torno de 30, criar um sistema de avaliação do funcionalismo, baseado no mérito de cada um, e ampliar a diferença entre o salário no início e no final da carreira, que hoje, em muitos casos, é de apenas 30%.

Quanto à reforma tributária, o governo decidiu não encaminhá-la como Proposta de Emendas Constitucional (PECs), mas por meio de medidas a serem incorporadas aos dois projetos que já estão em análise no Congresso (do deputado Baleia Rossi, que considera como referência estudo do economista Bernard Appy, e do ex-deputado Luiz Carlos Hauly). “Vamos colaborar para tentar fazer as propostas convergirem.”

Guedes afirmou que o governo deverá encaminhar a reforma tributária ao Congresso em três tranches. Primeiro, seguirá a proposta de criação do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), reunindo os principais tributos federais, provavelmente já em fevereiro também. Em seguida, deverão seguir as mudanças para o Imposto de Renda, que incluirão o aumento da faixa de isenção e a cobrança sobre distribuição de lucros na forma de dividendos, para as pessoas físicas, e a redução da carga tributária das empresas de 34% para 20%.

Pagamentos digitais

A última tranche, a ser encaminhada ainda no primeiro trimestre, poderá incluir a redução dos encargos trabalhistas e o fim das desonerações para as pessoas jurídicas. A eventual cobrança de um novo imposto sobre pagamentos digitais, também nos moldes da extinta CPMF, questionada por Bolsonaro e líderes políticos, ou de um tributo que o substitua, continua no radar do ministro.

De acordo com Guedes, se a base de incidência não for mais ampla, será difícil fechar a equação. “Não tem essa folga toda no caixa. A gente só pode baixar as alíquotas, inclusive do IVA, e ampliar a faixa de isenção se algo desse tipo andar”, afirmou. “Quanto maior a base de incidência de um imposto assim, mais baixas podem ser as alíquotas dos outros impostos e mais alta pode ficar a faixa de isenção.”

Em paralelo, o ministro conta com andamento do pacote enviado ao Senado em novembro, como parte do acordo feito com a Câmara, também fatiada em três, que, segundo ele, estão tramitando em ritmo acelerado e são fundamentais para a transformação do Estado brasileiro.

A primeira parte, centrada na descentralização, desvinculação e desindexação de recursos, inclui a criação do Conselho Fiscal da República, a ser formado por representantes dos três Poderes, e a possibilidade de decretação do Estado de Emergência Fiscal, que impedirá a concessão de aumentos ao funcionalismo por até um ano e meio em caso de crise financeira dos entes da Federação.

A segunda prevê a extinção de até 180 fundos governamentais, criados ao longo do tempo para atender a grupos de interesse, mas preserva os fundos constitucionais, destinados principalmente destinados às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A terceira parte é a chamada PEC Emergencial, que propõe a ampliação do volume de recursos sob comando Congresso já em 2020, com a redução equivalente do “dinheiro carimbado”, ou seja, com destinação definida previamente, enquanto a aprovação do novo Pacto Federativo, que pode levar de um a dois anos, não acontece.

“Tudo isso vai andar. O Congresso abraçou as reformas”, diz Guedes. “As reformas estão sendo processadas no Congresso num clima de completa cooperação e colaboração com a equipe econômica. Nós começamos este ano com perspectivas bem melhores de governabilidade do que no ano passado.”

 Apesar desse otimismo, no Congresso a previsão é de que as eleições municipais de outubro possam influir na pauta de votações e adiar a aprovação de temas considerados prioritários pelo governo federal. O próprio líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-CE), diz que as reformas administrativa e tributária só devem sair depois de novembro. Em oposição, deverá ganhar prioridade projeto de abertura da área de saneamento à iniciativa privada, porque deve ampliar os investimentos na área, com apelo popular e eleitoral.  

Privatizações

Sobre as privatizações, que travaram no ano passado por resistência dentro do próprio governo, Guedes reconhece as dificuldades, mas afirma que tem a expectativa de que, neste ano, o processo decole. Ele diz também que, mesmo assim, houve um total de R$ 106 bilhões em privatizações em 2019, contra os R$ 80 bilhões previstos.

Segundo Guedes, neste ano o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que não conseguiu se desfazer de suas participações em empresas de mais de R$ 100 bilhões, agora vai cumprir a tarefa. “Não vou falar de que jeito vai ser. Só digo que vai acontecer”, afirmou. “De novo eles vão mandar R$ 100 bilhões para o Tesouro, pode ficar tranquilo”. A questão é saber se Bolsonaro vai enfrentar os ministros que querem manter seus “feudos” e apoiar para valer a privatização, como não aconteceu em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Retomada do crescimento virá de forma progressiva, sem uso de dinheiro público, diz Guedes

'Não temos ilusões. Nossa ideia intuitiva sempre foi de que o crescimento no primeiro ano seria em torno de 1%, no segundo, deve ir para uns 2%, no terceiro, para 3%, e no quarto, para uns 4%', disse o ministro da Economia

José Fucs, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2020 | 04h00

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse ao Estado que a retomada do crescimento virá, mas virá de forma progressiva, sem a adoção de estímulos viabilizados com dinheiro público.

“Nós queremos aceleração do crescimento, mas não temos ilusões”, afirmou. “Nossa ideia intuitiva sempre foi de que o crescimento no primeiro ano seria em torno de 1%, no segundo, deve ir para uns 2%, no terceiro, para 3%, e no quarto, para uns 4%. Isso é um processo gradual.”

Guedes disse que costuma usar a imagem da baleia arpoada, porque, conforme o governo vai tirando os arpões, a economia vai ganhando dinamismo, começa a recuperar a dinâmica do crescimento sustentável.

Dirigismo

“A gente está tirando os arpões devagarzinho e a economia está começando a se mexer”, afirmou. “É um movimento sustentável, porque agora se baseia no crédito privado, na iniciativa privada, não tem anabolizantes.”

Segundo ele, o Brasil foi perdendo a dinâmica do crescimento ao longo de quatro décadas, desde os últimos anos do regime militar e depois, com a redemocratização, em razão do excesso de intervencionismo, do dirigismo exagerado, do descontrole dos gastos públicos. “O Brasil foi gastando cada vez mais e cada vez pior, sempre tentando turbinar a economia com dinheiro público. O grande pecado da social democracia foi acreditar que o governo é a solução e que os mercados são um problema.”

Para o ministro, um exemplo negativo foi o do ex-presidente da Argentina, Mauricio Macri, derrotado nas últimas eleições pelos peronistas. “Ele começou bem, depois afrouxou e acabou mal.”

Petróleo

Na visão de Guedes, a alta do preço do petróleo tem um efeito interno nefasto nos custos dos combustíveis. Mas, de acordo com ele, como o Brasil tem petróleo e é “a maior fronteira” do produto no mundo, o País está ficando mais rico e não mais pobre com a alta das cotações internacionais.

Em sua visão, com a aprovação da cessão onerosa do pré-sal pelo Congresso, que estava travada há cinco anos, o petróleo vai começar a jorrar. “É a cessão onerosa que vai irrigar o Pacto Federativo, com a descentralização progressiva dos recursos hoje concentrados com o governo federal. Serão R$ 450 bilhões para Estados e municípios nos próximos dez anos. Vai ser o maior programa social que já existiu.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.