Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Guedes diz que pode desistir de imposto sobre transações digitais nos moldes da CPMF

Ministro da Economia afirmou, em entrevista à CNN, que novo imposto não bancará o Renda Cidadã 'de jeito nenhum' e que não 'existe aumento de imposto'

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2020 | 14h40

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 15, que pode desistir da criação de um novo imposto sobre transações digitais, nos moldes da antiga CPMF. Em entrevista à CNN, ele afirmou que o novo imposto não bancará o Renda Cidadã, programa em estudo para substituir o Bolsa Família, "de jeito nenhum".

"Não tem aumento de imposto, não existe aumento de imposto", afirmou. "A mídia, por exemplo, quer desonerar a folha [de pagamento], não quer? Esse imposto só entraria se fosse pra desonerar. Talvez nem precise, talvez eu desista."

Na quarta-feira, 14, porém, Guedes havia defendido a criação do imposto sobre transações e acusou a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) de ser contra a iniciativa "porque quer beber água onde os bancos bebem".

"Eu acho que os bancos vão acabar usando também. Porque os bancos já cobram uma CPMF hoje. A Febraban é que mais subsidia e paga todos os economistas brasileiros para dar consultoria contra esse imposto, mas a Febraban está fazendo isso porque querem beber água onde os bancos bebem. Os bancos bebem essa água", disse o ministro na quarta, durante o 10º Seminário de Administração Pública e Economia, promovido pelo IDP.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo GuedesRenda CidadãimpostoCPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.