Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Guedes diz que trocas resultaram de 'desgaste' por vários 'não' a pedidos feitos no Orçamento

Ministro da Economia anunciou que o atual secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, será remanejado para a assessoria especial da pasta

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 21h22

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou nesta terça-feira, 27, que as mudanças em postos-chave de sua equipe e atribuiu a decisão a um “desgaste natural” sofrido por secretários que tiveram de atuar “na defesa” e precisaram com frequência dizer “não” a diversos pedidos. Apesar de as mudanças virem na esteira dos embates em torno do Orçamento de 2021, o ministro negou que tenha havido pressão política para as trocas.

Guedes anunciou que o atual secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, será remanejado para a assessoria especial da pasta. Em seu lugar, será nomeado o atual secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, como mostrou o Estadão/Broadcast. Na hierarquia do Ministério da Economia, o Tesouro é ligado à Fazenda.

O ministro confirmou também a ida de Jeferson Bittencourt, atual assessor na articulação com o Congresso, para o posto de Funchal.

Guedes também anunciou a saída do Secretário de Orçamento Federal, George Soares, que será substituído por Ariosto Culau, servidor de carreira que já foi secretário-executivo-adjunto da Fazenda no governo Michel Temer.

Foi confirmada ainda a saída de Vanessa Canado da assessoria especial para reforma tributária, que será substituída por Isaías Coelho.

No momento do anúncio das mudanças, Guedes estava ladeado por Waldery e Funchal, aos quais buscou fazer elogios e agradecimentos. O ministro tentou desfazer a imagem de que Waldery foi demitido do cargo e disse “prestigiar seus combatentes”.

“Queria deixar registrado que isso não é demissão”, disse Guedes. Segundo o ministro, não há demissão de alguém que foi “leal” e afirmou que as mudanças já vinham sendo conversadas internamente há cerca de dois ou três meses – antes, portanto, da negociação do Orçamento. “O que está acontecendo é remanejamento da equipe, justamente para facilitar negociações com Congresso”, afirmou.

Segundo o ministro, as negociações são difíceis. “Na Secretaria de Fazenda está o foco, 'não' é dito com frequência. O secretário do Tesouro é outro que tranca o cofre. Eles são muito responsáveis em suas funções e têm um desgaste”, afirmou. Para o ministro, George Soares também passou pelo mesmo desgaste.

Guedes afirmou que, em meio à discussão do Orçamento, sempre há “caras mais criativos, mais simpáticos”, que apresentam o que seriam as alternativas, o que “naturalmente” atrai a atenção dos políticos. Os chefes da Fazenda, do Tesouro e do Orçamento, porém, compõem o time de “defesa”, que normalmente nega as solicitações. “Tesouro apanha, Fazenda apanha, governadores ficam aborrecidos, é função difícil”, disse. O ministro, porém, disse que não há problema pessoal, nem pressão política. “Não há problema pessoal com ninguém. Não houve pressão política para fazer esse movimento.”

Em outro momento da coletiva, Guedes voltou a fazer deferências a Waldery e disse ser “muito grato” ao secretário. “Sou testemunha do trabalho dele, incessante”, afirmou, mencionando sacrifícios pessoais e familiares do secretário. “Seria ingratidão, desrespeito e falta de lealdade dizer 'Guedes demitiu'”, reforçou o ministro.

Mesmo com as mudanças, Guedes reafirmou o compromisso da equipe com a saúde e com a responsabilidade fiscal e buscou transmitir espírito de união. “Somos uma equipe, somos companheiros, estamos no combate, com o presidente Bolsonaro à frente”, disse. “Somos equipe unida, os que permanecem no combate são unidos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.