Sergio Lima/AFP
Sergio Lima/AFP

Guedes enfrenta artilharia da oposição na CCJ

Ministro da Economia foi chamado de o 'último Gatorade do deserto' pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG)

Adriana Fernandes, Idiana Tomazelli e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2019 | 15h43

Brasília - O ministro da Economia, Paulo Guedes, enfrentou uma artilharia da oposição no início da audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) sobre a proposta de reforma da Previdência encaminhada pelo governo Bolsonaro. Os deputados da oposição não deram trégua ao ministro na fase de sequência de perguntas, que acontece nesta quarta-feira, 3. 

Parlamentares do PT, do PDT, do PSOL e do PSB foram os principais protagonistas da fase inicial da audiência. Guedes chegou a bater boca com alguns deles, mas logo depois conseguiu “esfriar” a temperatura e pediu desculpas em uma das vezes em que se exaltou.

A avaliação preliminar na área econômica, segundo apurou o Broadcast, é a de que o ministro tem um “bom desempenho” na audiência, pois mesmo nos momentos mais tensos soube escapar da tentativa da oposição de envolvê-lo num bate-boca ainda maior.

O deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) disse que Guedes é mais perverso do que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quando fez mudanças no sistema de Previdência.

Lopes afirmou que o ministro “faltou com a verdade” ao afirmar que o governo gasta R$ 700 bilhões com a Previdência Social. Para o deputado, parte desses recursos foi para pagamento da seguridade social. 

Aos gritos e batendo na mesa, Lopes disse que Guedes havia mentido: “É seguridade social”, berrou. O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), teve que conter mais um início de bate-boca e pediu respeito ao ministro.

O deputado do PT acusou a mídia de tratar o ministro da Economia como último “gatorade do deserto” e afirmou que esperava uma apresentação mais técnica de Guedes.

O deputado Silvio Costa Filho (PRB-PE) interrompeu a audiência dizendo que os parlamentares não davam um bom exemplo ao atacar Paulo Guedes de forma desrespeitosa. Foi vaiado e aplaudido.

O deputado Alencar Santana Braga (PT-SP) disse que o governo “vive com base na mentira” e questionou a intenção de Guedes de propor o sistema de capitalização. 

“Se o sistema atual que tem três financiando (trabalhador, empregador e governo) está falido, como vai ficar a capitalização em que só o trabalhador contribui?”, indagou. 

Ele ainda provocou o ministro sobre a proposta dos militares, que foi apresentada separadamente. “Por que os militares não vão para a capitalização se ela é tão boa?”, questionou. 

Paulo Guedes na CCJ AO VIVO

Acompanhe aqui outras informações sobre a presença do ministro da Economia na CCJ da Câmara dos Deputados para debater reforma da Previdência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.