Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Guedes nega que haja briga com Onyx e diz que equipe é 'muito sintonizada'

Na semana passada, a primeira de Jair Bolsonaro na Presidência, houve desencontros sobre as principais medidas do governo

Fabrício de Castro, Eduardo Rodrigues e Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2019 | 16h31

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou nesta segunda-feira, 7, durante cerimônia de transmissão de cargo para o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, que haja uma disputa entre a área econômica e a área política do governo de Jair Bolsonaro. "Todo mundo acha que tem uma discussão entre nós, uma briga. Nós somos uma equipe muito, muito sintonizada", afirmou, após citar o nome do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Na semana passada, a primeira de Jair Bolsonaro na Presidência, houve desencontros sobre as principais medidas do governo. Uma declaração do presidente sobre idades mínimas para a Previdência provocou dúvidas que ninguém conseguiu explicar. Além disso, Bolsonaro anunciou mudanças nas alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e do Imposto de Renda (IR), que também provocaram ruídos e depois tiveram de ser negadas por sua equipe.

Bolsonaro disse que tinha assinado decreto aumentando o IOF para operações externas, sem dar detalhes. A elevação seria necessária para cobrir o rombo deixado pelo projeto que prorroga benefícios fiscais a empresas do Norte e Nordeste, sancionado pelo presidente. Na tarde de sexta-feira, 4, após se reunir com o presidente, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, disse que ele tinha se "equivocado" e que não haveria necessidade de aumentar IOF. Além disso, a mudança na tabela do IR, também anunciada pelo presidente, só seria feita em momento "oportuno".

Sem dar nenhuma declaração à imprensa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelou o único compromisso público na sexta-feira em que havia expectativa de que ele pudesse dar explicações e detalhes das informações sobre IOF, IR e, sobretudo, a proposta de reforma da Previdência.

Sem Guedes, coube ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, convocar uma entrevista coletiva, no fim do dia, para tentar acertar a comunicação. "Estava toda uma celeuma no Brasil de que haveria aumento de imposto. Não tem aumento de impostos", afirmou Onyx na ocasião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.