Clauber Cleber Caetano/PR
Clauber Cleber Caetano/PR

Guedes diz que pode fazer versão ‘enxuta’ da reforma tributária para atrair investimento de fora

Ministro afirmou que o modelo de investimento público levou à corrupção na política e à estagnação da economia

Eduardo Rodrigues e Guilherme Pimenta, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2022 | 12h13

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira, 9, que é possível fazer uma versão mais enxuta da reforma tributária, que é o que está faltando para mais investimentos de fora no País. 

"A hora é agora. Já aprovamos a reforma da Câmara dos Deputados, está travada no Senado. Podemos fazer versão tributando os super ricos e reduzindo os impostos sobre as empresas, é o que falta para receber os investimentos de fora", afirmou Guedes. A reforma que foi aprovada pelos deputados é a do Imposto de Renda. O texto segue travado no Senado Federal.

O ministro participava do lançamento do Monitor de Investimentos do Ministério da Economia e citou o corte da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). "Era imposto contra a indústria brasileira. Pela primeira vez estamos reduzindo", disse. Ele não se manifestou, no entanto, quanto à decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, que suspendeu o corte na alíquota para produtos que também são produzidos na Zona Franca de Manaus, na última sexta-feira.

Moraes acolheu pedido do partido Solidariedade, que argumentou que reduzir o IPI para produtos de todo o País que concorrem com o da Zona Franca reduz a vantagem dos artigos de Manaus, que já contam com desoneração. Isso, segundo o Solidariedade, afeta o desenvolvimento da região e a preservação ambiental. O corte adicional de IPI, agora suspenso por Moraes, beneficiava empresas externas à Zona Franca de Manaus em setores que concorrem com a produção da região.

"Queremos acabar com a tributação sobre a indústria para o Brasil ser potência industrial, com todas as matérias-primas", disse Guedes. "Se estivéssemos em outro governo, em outra direção, já estaríamos na miséria", afirmou o ministro.

R$ 860 bilhões

Segundo Guedes, o Brasil tem R$ 860 bilhões de compromissos de investimentos contratados na plataforma de concessões, autorizações e privatizações. "A reforma de marcos regulatórios fez com que o Brasil seguisse com as reformas, no momento em que o mundo pede o porto seguro para fazer os investimentos."

"O Brasil diz para o mundo: venham que estamos abertos", disse Guedes. "Todo dia temos empresários em Brasília anunciando investimentos conosco, como indústria automobilística, 5G, portos, rodovias, ferrovias", exemplificou o ministro. "Tudo que o Brasil coloca na prateleira, recebe investimentos. Não cabe pessimismo."

Guedes disse que o modelo de investimento público levou à corrupção na política e à estagnação da economia. "O modelo desaguou, afundou. Poluiu o ambiente de negócios, derrubou a taxa de investimentos no país", criticou o ministro, ao afirmar que o Brasil, lentamente, está recuperando a capacidade de investimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.