Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Guedes se mostra otimista com pacote

Em palestra no Rio, ministro diz que está ‘tudo mais ou menos entendido, ou encaminhado’ com o Congresso para ‘debater as reformas'

Denise Luna, Fernanda Nunes e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2019 | 04h00

RIO - O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu na sexta-feira, 8, o conjunto de propostas de reformas anunciado pelo governo federal na última terça-feira, e entregue ao Congresso Nacional, e destacou o apoio do presidente Jair Bolsonaro no processo. Em palestra de mais de uma hora durante um seminário no Rio de Janeiro, Guedes comemorou resultados positivos da economia do País e ainda demonstrou otimismo com a tramitação da nova etapa de reformas no Legislativo.

“Essa reforma não vai ser como a Previdência, que teve um corte grande, porque está sendo feita junto com o Congresso. O aprendizado nosso foi esse. Em vez de jogar R$ 1 trilhão e não sei quanto (valor do impacto fiscal original da proposta de reforma da Previdência), fomos conversando (com o Congresso). Demora um pouquinho mais, mas está tudo mais ou menos entendido e mais ou menos encaminhado”, afirmou Guedes, já na parte final da palestra de 1h10 com a qual encerrou o seminário Reavaliação do Risco Brasil, organizado pelo Centro de Economia Mundial (CEM) da Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

O ministro aproveitou a narrativa sobre a história da economia e a trajetória que criou os problemas econômicos do País para defender o programa econômico do governo. Segundo Guedes, a ideia de seu programa econômico é “completar” a transição para uma economia mais aberta, atacando as causas dos problemas econômicos. Estratégia diferente, portanto, de políticas econômicas de governos anteriores, que, com diversas medidas, teriam focado mais nos “sintomas”, como no uso do congelamento de preços para enfrentar a inflação galopante.

“Nosso programa não é para gerar um superávit primário, não é para fechar as contas com alta de imposto. Queremos fazer a transformação do Estado brasileiro”, afirmou Guedes durante a palestra, já que o ministro deixou o auditório do Centro Cultural da FGV, em Botafogo, zona sul da capital fluminense, sem dar entrevista à imprensa. “Não vou combater sintomas, vou combater as causas”, completou o ministro.

No conjunto de medidas para reformar a gestão do Orçamento público e as regras da política fiscal, por exemplo, um dos objetivos é deixar um “legado de responsabilidade fiscal”, disse Guedes. “Tínhamos a Lei de Responsabilidade Fiscal (aprovada no ano 2000, pouco após o segundo governo Fernando Henrique Cardoso introduzir o “tripé macroeconômico”, formado pelo câmbio flutuante, as metas de inflação e as metas de superávit fiscal), mas não a cultura de responsabilidade”, afirmou o ministro.

Guedes também destacou o apoio do presidente Bolsonaro ao conjunto de propostas de reformas. O ministro exaltou a “determinação” e a “firmeza” do presidente, após lembrar que a atuação política de Bolsonaro levou a uma flexibilização natural no processo de construção das medidas. Como exemplo, Guedes disse que a ideia original era desindexar, desobrigar e desvincular todas as despesas públicas, sem distinção, mas reconheceu que essa proposta só sobrevivia na “sala de aula”. “Nada disso seria possível sem ele”, afirmou Guedes sobre Bolsonaro.

Guedes também comemorou resultados positivos na economia. O ministro mencionou principalmente indicadores do mercado de crédito. Os juros, por exemplo, já vinham caindo no governo Michel Temer, na gestão de Ilan Goldfajn à frente do Banco Central (BC), na esteira da redução da taxa básica (Selic, hoje em 5,0% ao ano). Só que, segundo Guedes, o movimento vinha se refletindo apenas nos títulos (públicos e privados) de prazo mais curto. Agora, no governo Bolsonaro, os juros dos títulos de prazo mais longo também estão em queda – nas palavras de Guedes, “o juro longo finalmente capotou para 6% ao ano”.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo GuedesCongresso Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.