REUTERS/Sergio Moraes
REUTERS/Sergio Moraes

Guerra comercial custará empregos, crescimento e estabilidade, diz diretor da OMC

Diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, voltou a afirmar que não haveria vencedores em um cenário de guerra comercial global

Reuters

25 Setembro 2018 | 10h00

BERLIM- Uma guerra comercial em escala total teria efeitos sérios sobre o crescimento econômico global e não haveria vencedores em tal cenário, afirmou nesta terça-feira o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo.

Falando em um evento da indústria em Berlim diante do cenário de crescentes tensões comerciais entre China e Estados Unidos, Azevêdo afirmou: “As luzes de alerta estão piscando. Uma contínua intensificação das tensões representará uma ameaça adicional à estabilidade, aos empregos e ao tipo de crescimento que estamos vendo hoje.”

Uma guerra comercial global em escala total com interrupção da cooperação comercial internacional reduzirá o crescimento do comércio global em torno de 70% e a expansão do PIB em 1,9%, disse Azevêdo.

“Não haverá vencedores de tal cenário e toda região será afetada”, disse Azevêdo. A própria União Europeia terá cerca de 1,7% retirado de seu crescimento do PIB, disse ele, acrescentando: “Claramente, não podemos deixar isso acontecer.”

Azevêdo citou várias propostas de reformas que lidam com práticas de distorção comercial e mecanismos existentes da OMC para resolver disputas comerciais, acrescentando que os membros precisam concordar com quais reformas querem se concentrar.

Segundo ele, a cúpula do G20 em Buenos Aires em novembro será crucial para definir os próximos passos para proteger o livre comércio com bases em regras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.