Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Guerra comercial desembarca nos tribunais da OMC

China, EUA, Índia, Europa e Japão se lançam em disputas mútuas por conta de barreiras

Jamil Chade, correspondente, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2018 | 14h39

GENEBRA - A guerra comercial entre as maiores economias do mundo desembarca nos tribunais da OMC. Numa iniciativa ampla de questionamento da política comercial dos EUA, o governo da China ataca as novas barreiras impostas pela administração de Donald Trump. A ação ocorre de forma paralela à decisão de Pequim de impor medidas de retaliação contra mais de 230 produtos americanos, incluindo soja, aviões e carros. 

Mas, no mesmo dia, os governos de EUA, Europa e Japão lançam um ataque contra as políticas de tecnologia da China, acusando o governo de Pequim de adotar medidas que criam distorções no mercado internacional e favorecem as empresas locais no desenvolvimento de tecnologia de ponta. Na avaliação dos três governos, a China viola as regras de propriedade intelectual. Os novos casos prometem causar um sério acúmulo de processos num sistema que, diante da falta de juízes, já estava à beira da paralisia. 

Pequim, porém, não hesitou em contra-atacar imediatamente e dois casos separados foram entregues pelos diplomatas chineses à OMC. O primeiro deles se refere às tarifas impostas por Trump contra cerca de 1,3 mil produtos eletrônicos e de alta gama produzidos pela China. No total, as medidas afetariam um fluxo de comércio de US$ 50 bilhões. 

No documento entregue pelos chineses e obtido pelo Estado, Pequim alega que as medidas não se justificam e que as supostas investigações que foram conduzidas pelo governo americano não foram transparentes e nem objetivas. 

Num primeiro momento, a China pede consultas com as autoridades americanas, o que é tradicionalmente a primeira etapa do processo em Genebra. Caso não saiam satisfeitos, podem então pedir que a OMC designe seus especialistas para avaliar se as novas tarifas violam ou não as regras internacionais.

+ Guerra comercial entre EUA e China abre mais espaço para a soja brasileira

Um segundo processo também lançado hoje visa a barreira criada pelo governo americano contra o aço chinês. Em sua queixa, Pequim alerta que as novas tarifas incrementadas em 25% não se justificam como parte de um plano para assegurar a “segurança nacional” dos EUA, como alega Trump. Para o Ministério do Comércio da China, trata-se apenas de “uma ajuda protecionista a setores nos EUA”. 

Num comunicado, Pequim ainda apontou que as medidas americanas são “sérias violações aos princípios não-discriminatórias do sistema multilateral do comércio”. Além disso, as medidas violam os próprios compromissos assumidos pelos EUA nos anos 90, ao estabelecer o teto de suas tarifas de importação.  

+ Disputa pode mudar rotas comerciais

A ação na OMC foi lançada depois que uma negociação entre americanos e chineses não resultou em um acordo sobre um nível de compensação que exigia Pequim. Segundo o governo asiático, portanto, a China não tinha outra alternativa senão a de “abrir um processo para defender seus interesses e direitos”. 

Além de atacar judicialmente os americano, o ministro de Relações Exteriores da China, Wang Yi, apelou à comunidade internacional que haja uma “união para defender juntos o crescimento da economia mundial” contra as barreiras americanas. 

“A comunidade internacional deve se opor em seu conjunto a tais apões unilaterais e violações de regras”, disse. “Se os EUA pensam que podem ganhar com o protecionismo, estão enganados”, insistiu. 

+ ‘Guerra comercial entre EUA e China é briga de cachorro grande’

Numa resposta dura, o governo americano atacou Pequim, insistindo que a motivação das barreiras ao aço chinês estavam relacionados com a segurança nacional do país e que o caso aberto por Pequim na OMC “não tem base”.  Para a Casa Branca, as regras internacionais permitem que um governo descumpra suas tarifas, alegando questões de segurança.  

Além da queixa na OMC, a China havia aplicado retaliações avaliadas em US$ 3 bilhões contra produtos americanos. 

Outro caso que os americanos enfrentarão é uma queixa apresentada pela Índia, que questiona as barreiras dos EUA ao aço.

Ainda que os casos tenham sido iniciados na entidade máxima do comércio, a realidade é que uma decisão por parte da OMC apenas poderia ocorrer em dois anos. Antes de partir para uma guerra comercial, a administração de Trump minou os trabalhos do órgão de Apelação da entidade, uma espécie de Supremo Tribunal do comércio. Hoje, a entidade que deveria ter sete juízes conta com apenas quatro, que acumulam milhares de páginas de queixas. 

Num comentário nesta semana, o vice-diretor da OMC, Alan Wolff, admitiu que “os perigos colocados sobre os sistema comercial mundial são graves”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.