Guerra do aço esquenta e Europa ameaça os EUA

A União Européia ameaçou bloquear o ingresso de têxteis, cítricos e produtos siderúrgicos norte-americanos, depois de ver ignorados seus pedidos de compensação por causa da imposição unilateral de sobretaxas contra as importações de aço europeu. O jornal espanhol El País informa, na sua edição de hoje que, depois de Washington ter ignorado os pedidos para que sejam compensados os prejuízos provocados pela medida unilateral norte-americana, estimados em 2,5 bilhões de euros (cerca de US$ 2,2 bilhões), Bruxelas (sede administrativa da UE) está disposta e prestes a tomar medidas de represália contra exportações dos EUA.De acordo com o jornal, a guerra comercial entre a União Européia e os EUA vem esquentando, razão pela qual a Comissão Européia assegurou ontem que está disposta a aplicar, já de imediato, medidas de salvaguarda para fazer frente aos efeitos diretos e indiretos no mercado europeu da imposição das sobretaxas contra as importações de aço. As medidas de salvaguarda serão destinadas a conter uma possível avalanche de importações no mercado europeu. "Vamos adotar (as salvaguardas) de forma mais justa do que possamos", disse o porta-voz da Comissão de Comércio, Anthony Gooch.De acordo com o El País, a intenção de Bruxelas é estabelecer um contingente global para todos os países exportadores de aço e seus derivados, tomando como referência os últimos três anos. A partir daí, seria aplicada uma tarifa (sobretaxa) de entrada ao mercado europeu. Os detalhes dessa medida estão sendo definidos e ainda não existe uma cifra exata sobre o contingente nem sobre a tarifa a ser aplicada, informa o jornal espanhol. A medida, acrescenta, terá uma duração de seis meses.Gooch disse ainda que se as consultas no âmbito da OMC não derem resultado e Washington se negar a compensar a União Européia, Bruxelas colocará em prática a terceira parte de sua estratégia: medidas de represália concentrada em três frentes. Isto é, restringir a entrada de produtos siderúrgicos norte-americanos por um valor de 600 milhões de euros (US$ 530 milhões) e travar a entrada de produtos têxteis no valor de cerca de 1,5 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão) e de cítricos. Atualmente, os EUA exportam para o mercado europeu cerca de 1,3 bilhão de euros (US$ 1,13 bilhão) em frutas e hortifrutigranjeiros.

Agencia Estado,

21 de março de 2002 | 12h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.