Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Imagem Roberto Rodrigues
Colunista
Roberto Rodrigues
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Guerra e paz

Fantasma da falta de alimentos vem ganhando proporções cada vez maiores

Roberto Rodrigues*, O Estado de S. Paulo

08 de maio de 2022 | 10h00

Tema de matérias nas mídias do mundo inteiro, o fantasma da falta de alimentos vem ganhando proporções cada vez maiores.

Estamos na iminência de conhecer o Plano Safra 2022/23, que estabelece as condições e regras pelas quais os setores público e privado se organizarão para o plantio da safra de verão, que começa no segundo semestre deste ano e se estende até a safra de inverno semeada no primeiro semestre do próximo.

O ministro Marcos Montes está lutando para garantir o suprimento de insumos para os agricultores usarem a melhor tecnologia, e orientou sua competente equipe técnica a buscar recursos adequados para o custeio da safra.

No entanto, dois fatores perturbam este cenário: por um lado, os insumos encareceram muito nos últimos meses, em função da pandemia e do conflito na Ucrânia, o que aumenta a demanda por dinheiro; por outro lado, o orçamento nacional está apertado pelo baixo crescimento da economia neste ano. Isso não gera grandes expectativas de suficiente crédito.

Mas é frente a desafios dessa magnitude que a nação precisa tomar decisões grandiosas. O Brasil é um dos pouquíssimos países que podem aumentar sua produção agrícola de um ano para o outro. E o mundo espera uma resposta brasileira ao tema da segurança alimentar, com sustentabilidade e qualidade.

Temos de dar essa resposta. Precisamos de um Plano Safra absolutamente excepcional, fora dos padrões e regras convencionais, com os olhos postos no combate à fome global com todas as armas de que dispomos ou tivermos de buscar.

É preciso crédito abundante, concedido tempestivamente pelo sistema financeiro. O seguro rural tem de receber orçamento ampliado para consolidar a confiança que cresceu este ano com a seca no Sul: o seguro funcionou, especialmente com atuação das cooperativas agropecuárias, salvando milhares de produtores e seus funcionários da bancarrota. Isso não é uma campanha somente do Ministério da Agricultura. É do governo todo. 

O crédito é só um pedaço. Vamos fechar contratos de fornecimento a mercados diversos. Cuidar imediatamente de melhorar logística e infraestrutura para escoamento das safras. São investimentos que geram empregos na veia.

Sempre se diz que “em tempo de guerra não se deve esperar notícia boa”. Vamos desmentir isso. Vamos montar uma operação de guerra para produzir a nossa maior safra de alimentos de todos os tempos e abastecer populações de todos os quadrantes. Isso mudará a imagem brasileira tão injustamente denegrida lá fora. E ainda ajudará a paz, que a fome destrói.

*EX-MINISTRO DA AGRICULTURA E COORDENADOR DO CENTRO DE AGRONEGÓCIOS DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

Tudo o que sabemos sobre:
Plano Safraagriculturafome

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.