Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Indústria ainda acredita que efeitos da guerra na Ucrânia vão encarecer o valor de insumos em abril

Conclusão é de levantamento realizado pela Fiesp; preços internacionais recuaram, mas ainda estão, em alguns casos, maiores do que antes do início da Guerra

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2022 | 15h54

BRASÍLIA - A guerra da Rússia com a Ucrânia deve ainda impactar em abril no reajuste de preços de matérias-primas para um terço das empresas entrevistadas em pesquisa conduzida pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Para 43% das empresas, a eclosão da guerra agravou o reajuste de preços. 

A guerra começou no dia 24 de fevereiro. Os preços internacionais recuaram, mas ainda estão, em alguns casos, maiores do que antes do início da Guerra. 

A Fiesp entrevistou 131 empresas do Estado de São Paulo, entre os dias 14 e 17 de março para ter um termômetro da percepção das empresas sobre os efeitos da guerra tanto pelo lado da alta de preços como também das dificuldades em encontrar os insumos. 

O resultado da pesquisa, obtido pelo Estadão, mostrou também que 29% das empresas verificaram impacto na oferta de insumos para produção em março e 36,6% esperam efeitos em abril.

A dificuldade para encontrar as matérias-prima aumentou, mas não é um quadro de falta de produtos. Somente 3,1% das empresas relataram que não encontraram insumos em março e para abril. Os principais insumos consumidos pelas indústrias paulista são de aços (19,6%), papelão (13,7%), resinas plásticas (12,9%) e químicos orgânicos.

Para o economista-chefe da Fiesp, Igor Rocha, a situação requer monitoramento, mas aparentemente o quadro está longe de um cenário similar ao da pandemia da covid-19 em 2020, quando houve desabastecimento e aumento de preços.

“A guerra afetou a cadeia de suprimentos numa proporção menor do que a pandemia, mas faz com que o processo de normalização dessa fase agora tenha um retardo”, avaliou o economista.

Rocha lembrou que a economia já caminha para uma perspectiva de normalização das cadeias produtivas num processo lento e paulatino, o que pode agora demorar mais um pouco.

A Fiesp está fazendo a pesquisa para entender a magnitude do impacto no Brasil e monitorar quais as cadeias serão supridas por outros países. É o caso de fertilizantes, muito dependente da Rússia.

Para o economista-chefe, o Brasil tem grande potencial para desenvolver o mercado de gás para suprimento da Europa, mas essa política dependerá de planejamento e amparo do setor público para se viabilizar. “Vimos que os Estados Unidos estão tentando fazer isso”, afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.