Guia rápido: Tire suas dúvidas sobre o sistema bancário 100% eletrônico
Conteúdo Estadão Blue Studio

Guia rápido: Tire suas dúvidas sobre o sistema bancário 100% eletrônico

Convidamos alguns dos maiores bancos digitais do País para responder a dúvidas sobre suas contas

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2021 | 08h00

Para quem está acostumado a lidar com o sistema bancário tradicional pode parecer assustador não ter uma agência física à qual recorrer para resolver um problema, ou precisar lidar com um aplicativo sem ser nativo tecnológico.  No entanto, ficar sem acesso a uma agência física foi a realidade de muitos brasileiros durante a pandemia. Em 2020, foram fechadas cerca de mil agências dos três maiores bancos privados. Com medidas de isolamento social e maior digitalização, clientes viram nos bancos digitais uma forma mais barata e prática de cuidar de seu dinheiro.

Convidamos alguns dos maiores bancos digitais do País para responder dúvidas sobre suas contas. Confira:

- Quais são as vantagens de uma conta digital?

"As contas digitais surgiram como uma alternativa vantajosa e sem custo para fazer suas operações financeiras do dia a dia. Hoje, elas são uma solução inteligente para ajudar as pessoas com as suas finanças que propiciam tanto economia de tempo, ao evitar deslocamentos ou filas de uma agência bancária, quanto de dinheiro, por não haver tarifa de manutenção, por exemplo", resume o Nubank.

- Quanto eu preciso entender de tecnologia?

"Não precisa ser nativo digital", tranquiliza Fábio Lins, superintendente de Canais, IA, Pix e Open Finance do Banco Original . "Nós temos 520 mil clientes acima de 50 anos - longe de serem idosos, mas que viveram muitas transformações, e usam nosso app." Os aplicativos costumam prezar pela experiência simples do cliente, com navegação bastante intuitiva.

- A quais tecnologias eu preciso ter acesso para ter uma conta?

"Basta você ter um smartphone e acesso à internet", lista o Nubank. 

- É possível acessar a conta por um computador, ou só em smartphones?

Só em smartphones. Priscila Salles, CMO do Inter, explica que eles oferecem parte do processo de onboarding (primeiros passos do correntista) no computador, mas que em algum momento é preciso migrar 100% para o aplicativo em iOS ou Android. 

- Tem agência?

Toda conta vai ter um número de agência, mas os bancos digitais não têm agências físicas. Alguns permitem que o cliente conheça espaços físicos do banco - como é o caso do Original, que tem ambientes desse tipo em São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

- Dá para depositar dinheiro vivo na conta?

Digamos que você tem uma nota de R$200 e quer depositá-la. A maioria dos bancos digitais permite que você gere um boleto, que pode ser pago como qualquer outro em uma lotérica, por exemplo. Aí é só pagá-lo com dinheiro vivo e esperar o valor cair na conta. Segundo Lins, do Banco Original, essa era uma pergunta muito frequente, mas que aparece cada vez menos, porque os clientes estão se habituando à mudança.

- E sacar?

Os bancos digitais permitem saques em redes como Banco24horas/Tecban e/ou Saque e Pague. Othon Vela, VP de Marketing da Neon, lembra que para isso é preciso ter um cartão de débito. E pode haver taxas para esse serviço, dependendo do banco e do número de saques no mês.

- Eu só vou ser atendido por robôs se precisar de suporte online?

Não. O Nubank, por exemplo, ressalta que tem atendimento aos clientes "por chat, telefone, e-mail, redes sociais e ouvidoria. Nossos clientes têm canais abertos para resolver tudo o que precisam. A área de suporte ao cliente do Nubank funciona 24 horas por dia com autonomia para realizar atendimentos dos mais simples aos mais complexos".

- Consigo fazer transações estando no exterior?

Sim. Os aplicativos funcionam normalmente em outros países. No entanto, por razões de segurança, o banco pode pedir que você confirme alguma transação se tiver permitido que o app acompanhe sua localização e ele perceba que você está em um local diferente do habitual.

- Quanto tempo demora para abrir uma conta?

Maxnaun Gutierrez, head de Produtos e Pessoa Física do C6, afirma que a abertura da conta demora apenas três minutos no C6. "É tudo feito no app, como se você estivesse falando num aplicativo de mensagem. Essa primeira abordagem já mostra como é simples, não dá dor de cabeça", afirma ele.

- O que eu preciso para abrir uma conta?

Basicamente, de um documento de identidade e do aplicativo. Alguns bancos digitais exigem comprovante de residência e que o correntista tenha ao menos 18 anos de idade. O Inter destaca que não faz essas exigências, caso o correntista esteja abrindo uma conta na mesma cidade onde está localizado (e permita ao app acesso a essa informação), e menores de 18 anos podem abrir a conta acompanhados dos pais - ambos são registrados por fotos no app, esclarece Priscila Salles, CMO do Inter. A maioria dos bancos pede algumas selfies tiradas por dentro do próprio app para identificar o cliente.

- Dá para investir pelo banco digital?

Sim, a maioria oferece opções de investimento, de CDBs a fundos internacionais. Gutierrez, do C6, conta que o banco oferece contas em dólar e euro, por meio das quais o cliente consegue ter opções no mercado financeiro internacional.

- É mais instável do que um banco tradicional?

Rafael da Silva Santos, coordenador acadêmico do curso de Defesa Cibernética do Centro Universitário Fiap, explica que ambos estão sujeitos a instabilidade no sistema. Porém, se o app de um banco tradicional cair, é possível que a agência ou o caixa eletrônico ainda estejam funcionando. Não é comum, no entanto, que os bancos digitais fiquem fora do ar por longos períodos de tempo.

- O que é um cartão virtual?

Os bancos digitais costumam oferecer a opção de criar um cartão de crédito virtual, com número diferente do físico, para compras online. Isso permite fazer uma compra sem ter acesso ao número do cartão físico, e cancelá-lo com maior facilidade. Isso não tem um custo extra para o cliente.

- Vale a pena criar um?

Santos, da Fiap, defende que sim. Do ponto de vista de segurança, ele é vantajoso para fazer compras online porque pode ser facilmente cancelado em caso de fraude. 

- Se eu perder meu celular, como devo proceder? 

O cliente deve entrar em contato com o banco assim que possível. Sem o aparelho, é possível ligar, mandar e-mail ou mensagem nas redes sociais dos bancos. "Realizamos verificações para garantir que é realmente a pessoa que perdeu o celular", informa Othon Vela, VP de Marketing da Neon.

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.