Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Guilherme Benchimol deixa a presidência da XP, mas continua no conselho da empresa

Thiago Maffra, atual diretor de tecnologia, será o próximo CEO da corretora, enquanto Benchimol assume como presidente do conselho; mudança faz parte de processo de 'evolução' e 'inovação da' XP, diz comunicado

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 19h34
Atualizado 12 de março de 2021 | 23h32

A XP anunciou nesta sexta-feira, 12, que Guilherme Benchimol, fundador da maior corretora do País, está deixando a presidência da empresa para ocupar a posição de presidente executivo do Conselho de Administração e se dedicar às atividades estratégicas da companhia. A mudança será a partir do dia 12 de maio, data de aniversário de 20 anos da XP.

Em um movimento que surpreendeu o mercado, o bastão foi passado para Thiago Maffra, executivo de 36 anos responsável pela área de tecnologia da plataforma. Com isso, Maffra assumirá a corretora, que tem cerca de R$ 700 bilhões sob gestão, com a clara missão de aprofundar a transformação digital da XP. 

“A fim de ajudar a XP a ficar um passo à frente e focada em nossos objetivos estratégicos de longo prazo, estou anunciando que estou assumindo a função de presidente executivo do Conselho de Administração XP Inc. para dedicar a maior parte do meu tempo e energia no crescimento estratégico e a importantes iniciativas como inovação e expansão, parcerias e fusões e aquisições, e o desenvolvimento contínuo de nossa cultura e de pessoas – nossos ativos mais importantes”, afirmou Benchimol, em comunicado enviado ao regulador do mercado de capitais nos Estados Unidos, a SEC. 

Maffra chegou à XP em 2015 e deixou sua marca no comando do processo de digitalização da empresa nos últimos três anos. “Maffra liderou uma transformação digital sem precedentes e altamente bem-sucedida. Temos certeza de que isso foi apenas o começo. Agora, com ele na função de CEO, estaremos ainda mais preparados e fortes para acelerar este processo”, ressaltou Benchimol no documento. 

Depois de um ano em que a XP deu um salto em seu crescimento, com o juro baixo no Brasil impelindo o brasileiro a ter investimentos fora da renda fixa, em 2021 a corretora colocou os dois pés nos serviços bancários, ao lançar nesta semana o cartão de crédito aos seus clientes. Tal projeto foi liderado pela equipe de Maffra. 

“Maffra e eu acreditamos que a XP precisa evoluir totalmente de um modelo no qual a tecnologia atende aos negócios para um em que a tecnologia capacita os clientes, enquanto trabalha para os negócios. Este tipo de transformação requer uma nova mentalidade, uma abordagem altamente colaborativa que integra todas as facetas da XP – do produto, design, operações e tecnologia, curando a experiência de nossos clientes de ponta a ponta”, afirmou Benchimol.

Na XP, Maffra iniciou sua carreira na mesa de operações e passou a focar sua atuação no setor de tecnologia após realizar seu MBA pela Columbia Business School, nos Estados Unidos.

A XP abriu seu capital no fim de 2019 na bolsa norte-americana Nasdaq, em uma oferta de elevadíssima demanda entre os investidores. A empresa nasceu no Rio de Janeiro em 2001, vendendo cursos para aqueles que tinham interesse em investir em ações, e ganhou corpo ao se apresentar como um “shopping de investimentos” e uma alternativa aos grandes bancos. 

Sob o comando de Benchimol, a XP teve resultados que a colocou entre um seleto grupo de empresas de elevado grau de crescimento. A plataforma encerrou o ano com 2,8 milhões de clientes ativos, além de lucro líquido ajustado de R$ 2,27 bilhões, aumento de 111% em relação a 2019.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.