Guinada na política cambial

Em viagem recente ao Japão, tive a oportunidade de discutir com amigos japoneses, lideranças empresariais e autoridades locais a fantástica guinada de política econômica que está sendo chamada de Abenomics e cujos efeitos preliminares para a economia japonesa estão sendo bastante favoráveis, apesar de ainda ser prematuro para fazermos uma avaliação mais conclusiva.

ROBERTO GIANNETTI DA FONSECA * ,

03 de julho de 2013 | 02h08

Num misto de política monetária e cambial, o Japão realizou uma expansão monetária via recompra de títulos públicos no mercado de capitais e, em apenas seis meses, o yen se desvalorizou de 80 ¥ por dólar para 100 ¥ por dólar - portanto, equivalente a uma máxi de aproximadamente 30%. Essa desvalorização está contribuindo para reverter um cenário de estagnação e deflação: o crescimento previsto para a economia japonesa e a inflação são, respectivamente, de 3,5% e de 2% para 2013. Além disso, a exportação de manufaturados voltou a crescer após um longo período de estagnação e, assim, os japoneses voltaram a ser competitivos diante de seus rivais coreanos e chineses no mercado internacional. O consumo doméstico dá sinais de ressurgimento e as empresas voltam a apresentar resultados crescentes de vendas e lucros e, possivelmente, maiores investimentos surgirão nessa esteira.

O Abenomics também rebate no Brasil, pois tem efeitos diretos sobre a liquidez do sistema financeiro internacional. A expansão monetária e as taxas de juros baixas dão origem ao yen carry trade, operação cujos agentes se alavancavam no sistema de crédito japonês a juros baixos e aplicavam em moedas associadas a juros maiores. A continuidade dessa política aponta para um cenário de excessiva liquidez internacional, que tende a valorizar ativos como a moeda brasileira e gerar volatilidade nos momentos de incerteza. Soma-se a isso o quantitative easing americano, cuja escala é ainda maior, e a preocupação ainda aumenta.

Diante desse cenário, parece-me precipitada a mudança na política cambial brasileira, retirando o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre as posições vendidas em dólar futuro no mercado de derivativos. Esse instrumento fazia parte de uma estrutura regulatória montada sobre o mercado de câmbio para reduzir a influência especulativa do mercado de derivativos sobre a formação da taxa de câmbio brasileira. Enquanto essa regulação cumpria com eficácia seu papel, as intervenções (no mercado à vista e os swaps) faziam a calibragem do excesso/escassez de dólar nos mercados futuros e à vista.

Isso não implica dizer que essa regulação deve ser perene. Ela pode e deve ser amenizada quando e se houver uma perspectiva de baixa liquidez cambial no médio ou no longo prazos. Porém, os indícios de um novo padrão de liquidez internacional ainda não estão bem claros. A rápida e intensa desvalorização recente do real foi conjuntural e motivada por uma excessiva especulação em torno das declarações do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke. Mas suponhamos que houvesse clareza quanto a uma mudança prolongada do cenário internacional e que a perspectiva de financiamento do balanço de pagamentos de fato viesse a se deteriorar. Mesmo nesse caso, o governo agiu de forma precipitada ao tomar as medidas no calor dos acontecimentos, quando o mercado anunciava um súbito viés de desvalorização cambial.

A retirada do IOF sobre as operações de derivativos de câmbio na prática torna a política cambial menos eficaz. Esse recuo, combinado com as perspectivas de aumento da taxa de juros, tenderá a atrair maior fluxo de capitais de curto prazo e poderá dar fôlego a um novo ciclo de apreciação, quando o cenário externo se acalmar. Quando isso acontecer, o Banco Central poderá ter dificuldades em conter a valorização cambial, que, como sabemos, costuma ter origem no mercado de derivativos brasileiro, que é extremamente líquido e alavancado e, agora, isento de imposto. Quando alguém se cura de uma doença, não precisa por causa disso jogar o remédio fora, mas deve, sim, guardá-lo na gaveta, pois poderá um dia precisar usá-lo de novo.

* ROBERTO GIANNETTI DA FONSECA É ECONOMISTA, EMPRESÁRIO, PRESIDENTE DA KADUNA CONSULTORIA E DIRETOR TITULAR DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.