Guitarra do futuro chega ao mercado com financiamento coletivo

Fabricante americano desenvolve projeto sonhado por seu pai e agora busca sócios para iniciar a produção

Suellen Amorim, especial para o Estadão,

16 de outubro de 2013 | 18h29

SÃO PAULO - A empresa americana de instrumentos musicais Gittler idealizou um novo produto que está sendo anunciado como 'a guitarra do futuro'.

Agora a companhia está tentando atrair investidores dispostos a participarem do financiamento para lançar a guitarra no mercado.

Crowdfunding. O projeto foi desenvolvido por Jonathan Gittler, diretor da empresa. Ele resolveu concretizar o sonho do seu pai, Allan Gittler, que idealizou o instrumento na década de 70, segundo informou o jornal italiano Corriere Della Sera.

A guitarra é minimalista: não tem corpo acústico ou elementos em madeira. Ela é feita de materiais de alto desempenho, como o titânio. E utiliza teflon para evitar o atrito das cordas com a base onde elas são fixadas.

Uma alça na parte superior permite ajustes de tons e volume, além da conexão com o amplificador. Ela também pode ser conectada a computadores e sintetizadores. Os tradicionais pontos brancos que marcam as casas do braço da guitarra foram substituídos por luzes de LED.

Para produzir a guitarra do futuro em escala comercial, Jonathan Gittler recorreu ao Kickstarter, site que promove projetos de financiamento coletivo digital (crowdfunding). Ele espera arrecadar US$ 80 mil até o dia 14 de novembro, mas, por ora, conseguiu apenas US$2 mil.

Allan Gittler morreu em 2003 e era conhecido por inventar instrumentos inovadores, tanto no formato quanto na maneira não convencional de captar ou emitir sons.

The Police. Gittler teve uma de suas guitarras compradas por Andy Summers, guitarrista do The Police, que usou o modelo no clipe da música Sinchronicity II. Confira abaixo:

Tudo o que sabemos sobre:
instrumentos musicaisguitarras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.