Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Gulliver inicia em setembro troca de brinquedo com ímã

Apesar de reconhecer problema, empresa não confirma que fará recall; Idec e Procon cobram recolhimento

Ana Paula Lacerda e Isabel Sobral, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2024 | 00h00

A fabricante de brinquedos Gulliver informou ontem que fará, a partir de 1º de setembro, a troca de 15 tipos de brinquedos da linha Magnetix que têm ímãs que podem se descolar. Ao todo, cerca de 35 mil unidades estão sujeitas a problemas. O produto, fabricado na China pela empresa canadense MegaBrands, é importado pela Gulliver para ser vendido no Brasil. A empresa ainda não sabe informar quantos estavam nas lojas e quantos já foram vendidos.Nos Estados Unidos, houve acidentes com crianças que engoliram pequenos ímãs que se soltaram das peças do Magnetix, o que desencadeou um recall naquele país no ano passado e neste ano. Apesar de não ter confirmado se fará um recall no Brasil, a Gulliver afirmou que os clientes que possuírem os brinquedos pertencentes aos lotes com problemas poderão trocá-los em lojas e postos de troca nas principais capitais do Brasil. A empresa prometeu anunciar os endereços até o dia 29.Para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a Gulliver tem a obrigação de realizar um recall. ''''Se o mesmo produto causou danos a crianças nos EUA, tem de ser feito o recall aqui'''', diz a coordenadora-executiva do órgão, Marilena Lazzarini. ''''De acordo com o artigo 10 do Código de Defesa do Consumidor, quando é detectado o problema em um produto, a empresa deve comunicar amplamente a população e as autoridades. Se não fizer isso, ela é criminosa.''''O diretor de fiscalização do Procon-SP, Paulo Arthur Góes, reforça que não adianta só trocar brinquedos. ''''As pessoas devem ser avisadas e, depois disso, o procedimento de troca deve ser transparente e ágil.''''O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, já notificou a Gulliver para dar explicações em até cinco dias úteis sobre o processo de troca ou ressarcimento do brinquedo Magnetix. A assessoria da Gulliver confirmou ter recebido a notificação e pretende prestar os esclarecimentos em reunião com o DPDC na semana que vem, em Brasília.O caso é semelhante ao da Mattel, que na semana passada anunciou recall de brinquedos com ímãs que podem se soltar. O órgão de defesa do consumidor investigará se, ao colocar os produtos no mercado, a empresa sabia do risco à saúde e à segurança das crianças. A Gulliver está sujeita ao pagamento de multas de até R$ 3 milhões, segundo o Código de Defesa do Consumidor (CDC), caso o DPDC conclua que houve prejuízo aos consumidores.IDENTIFICAÇÃOPara identificar se um brinquedo faz parte do lote, o consumidor deve ligar para o serviço de atendimento ao consumidor da Gulliver (0800-770-2650) e informar o código do produto. Ontem, porém, as atendentes da empresa ainda não tinham informações atualizadas sobre o recall. A empresa afirmou que o problema seria resolvido. Alguns detalhes presentes na embalagem dos brinquedos também auxiliam a identificação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.