Gusa Nordeste investe R$ 1,8 bilhão em usina ‘verde’ no Maranhão

Segundo diretor da produtora de ferro-gusa, unidade será a 1ª totalmente movida a carvão vegetal proveniente de florestas renováveis

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 09h30

A produtora de ferro-gusa Gusa Nordeste está investindo R$ 1,8 bilhão em uma usina siderúrgica movida a carvão vegetal que iniciará suas operações em Açailândia, no Maranhão, em 2011, afirmou o diretor da companhia, Ricardo Nascimento.

O novo empreendimento será a primeira usina "verde" totalmente movida a carvão vegetal proveniente de florestas renováveis, com o processo de produção completamente livre de carvão metalúrgico, segundo afirmou o executivo, em um evento em São Paulo. Cerca de metade do investimento será aplicado em programas de cultivo florestal.

A nova usina, que ainda está em construção, produzirá 600 mil toneladas de lingotes de aço por ano a partir de junho de 2011, dobrando a capacidade para 1,2 milhão de toneladas em 2014, segundo Nascimento.

A capacidade de laminação será aumentada a partir de 2012 para transformar os lingotes em barras e vergalhões destinados à indústria de construção no Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. Nascimento afirmou que o investimento está sendo financiado pelo Banco do Nordeste.

A Gusa Nordeste tem atualmente capacidade para produzir até 360 mil toneladas por ano de ferro-gusa, uma matéria-prima da siderurgia, em Açailândia. A companhia planeja expandir essa capacidade para 800 mil toneladas por ano a fim de abastecer a nova usina siderúrgica.

"Nós vamos interromper a exportação de ferro-gusa de Açailândia para alimentar a nova usina siderúrgica", disse Nascimento. "Não há quase nenhum mercado agora para ferro-gusa nos Estados Unidos, nosso mercado tradicional, e o mercado siderúrgico brasileiro está crescendo."

Os custos elevados das matérias-primas, como o minério de ferro, tornam a exportação do ferro-gusa brasileiro inviável no atual preço de US$ 415 por tonelada, destacou o executivo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.