JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão
Imagem Gustavo H.B. Franco
Colunista
Gustavo H.B. Franco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Nos anos 70, artista brasileiro Cildo Meireles fez uma espécie de ICO das criptomoedas

Em obra feita nos anos 70 com notas de cruzeiros, Cildo Meirelles ajuda a se entender, hoje, o fenômeno das moedas virtuais

Gustava A.B. Franco, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2022 | 05h00

Uma boa chave para se entender o fenômeno das criptomoedas, que tanto encanta como atordoa, é o trabalho do consagrado artista brasileiro Cildo Meireles, particularmente o seu Zero Cruzeiro de 1978, com o qual o artista fabricou seu próprio dinheiro. 

Ele imprimiu gravuras, do tamanho de cédulas verdadeiras, usando o projeto gráfico do cruzeiro de 1970, concebido por Aloisio Magalhães, mas com interferências perturbadoras.

A principal era a denominação “zero cruzeiro”, que causou enorme impacto, muito mais do que o fato de o artista homenagear na cédula figuras que descreveu como “socialmente invisíveis” – um louco e um índio –, em vez de heróis nacionais, como normalmente se faz.

O dinheiro mexe com símbolos nacionais, sobretudo em um país assolado pelo fato de que a “promessa de pagamento” que vinha inscrita no dinheiro oficial (“promete-se pagar ao portador desta a quantia de...”) estava sendo revogada ou malversada.

O “dístico” relativo à “promessa de pagar” desapareceu do papel moeda brasileiro bem antes de Cildo, anos depois substituído por um “Deus seja louvado”, afinal abolido também.

Não há mais promessas nem compromissos inscritos no papel moeda, que se tornou puro “valor de troca”. Zero lastro, zero promessa, zero cruzeiro.

Para piorar, o artista não designou quantidade, nem numerou as gravuras. A emissão era “ilimitada”, portanto, sua escassez não podia ser estabelecida. Qual deveria ser o valor de troca?

Antes, um artista japonês que não se chamava Satoshi, mas Geipei Akasekawa, havia experimentado com cédulas de “zero yen”, nos anos 1960, e acabou preso por conta das arcanas leis japonesas sobre falsificação de dinheiro.

No Brasil de 1978, no contexto de ditadura e inflação, Cildo experimentou distribuir suas notas entre camelôs na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, em uma performance em que a intenção era inserir mensagens selecionadas em “circuitos ideológicos”.

Mas os camelôs da Cinelândia, astutamente, venderam as notas como arte, ou seja, não as repassaram como dinheiro. 

A denominação “zero” certamente confundiu os participantes do experimento, muitos dos quais desabafaram com observações como “esse (nosso) dinheiro não vale nada mesmo”, “agora, pelo menos, reconhecem”.

Em retrospecto, parece claro que Cildo Meireles estava fazendo uma espécie de ICO (Initial Coin Offering, o acrônimo para apontar a similaridade entre as ofertas de novas criptomoedas e ofertas de ações) e coletando “senhoriagem”, que é o nome que os economistas dão às receitas decorrentes do poder de emitir dinheiro, e que são dadas pela diferença entre o valor de troca do papel e seu custo de produção.  

 

Tudo o que sabemos sobre:
Cildo Meirelesgravuramoeda virtual

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.