Gutierrez: Brasil devia influenciar emergentes na OMC

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Carlos Gutierrez, disse hoje que o Brasil deve utilizar seu papel de liderança para influenciar os países emergentes a avançar nas negociações da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), que estão travadas por divergências sobre a abertura dos mercados agrícolas e dos industrializados. "Os países em todo o mundo, os países em desenvolvimento e os em desenvolvimento avançado olham para o Brasil. O Brasil é admirado, é um líder e por isso tem uma tremenda influência sobre os outros", disse o secretário (cargo equivalente a ministro), que falou hoje a associados da Câmara Americana de Comércio (Amcham).Gutierrez acredita que se o Brasil demonstrar publicamente que apóia a realização de um acordo, em discussão neste semana em Genebra, essa atitude terá enorme impacto sobre as outras nações em desenvolvimento. O Brasil é uma das principais lideranças do G-20, grupo de países emergentes que defende pontos comuns na Rodada Doha, inclusive o fim dos subsídios e maior abertura do mercado agrícola. "O Brasil desempenha um papel importante nas negociações por conta dessa liderança", completou.O secretário admitiu ainda que, por conta da importância e da oportunidade única que Doha representa para o comércio mundial, o governo norte-americano buscará um acordo com o Congresso para a obtenção de um fast track (mecanismo que dá ao Executivo autoridade para fechar acordos comerciais) especial para negociar e concluir a Rodada Doha. Sem o fast track, todos os acordos comerciais precisam da aprovação do legislativo, o que torna o processo bastante vagaroso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.