GVT e Universal fazem parceria para distribuir conteúdo

Clientes da operadora poderão ouvir canções e assistir de graça a clipes dos artistas da gravadora

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

A GVT anunciou ontem sua entrada na distribuição de conteúdo, com um acordo com a Universal Music. As duas empresas pertencem à francesa Vivendi. A operadora lançou um serviço chamado Power Music Club, em que seus clientes podem, gratuitamente, ouvir músicas e assistir a clipes de artistas da Universal, como Lady Gaga, Justin Biber e Ivete Sangalo.

"Vamos avançar no conteúdo", afirmou Alcides Troller Pinto, vice-presidente executivo da GVT. Segundo o executivo, as prioridades da operadora, daqui até o fim do ano que vem, são a entrada no mercado de TV por assinatura e o lançamento das operações nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Presente em 93 cidades, a GVT ultrapassou recentemente a marca de 1 milhão de assinantes de banda larga. Segundo a companhia, 60% têm velocidade igual ou maior do que 10 megabits por segundo (Mbps). Um estudo recente da Akamai apontou que a velocidade média do acesso no Brasil é de 1,3 Mbps. Em São Paulo, a GVT tem operações que atendem ao cliente residencial em Sorocaba e Jundiaí.

As músicas da Universal podem ser ouvidas pelos clientes da GVT via streaming. Ou seja, assim como os vídeos do YouTube, elas não baixadas no computador.

"Hoje você não encontra um garoto de 15 anos que tenha comprado um CD na vida", afirmou José Eboli, presidente da Universal Music. "Não existe uma indústria que tenha sofrido uma revolução tão grande por causa da internet quanto a música."

A GVT estuda oferecer o serviço para quem não seja cliente da banda larga, cobrando uma mensalidade. O Power Music Club, que estreou ontem, também tem promoções para assistir a shows, no Brasil e no exterior, e para encontros com os artistas da Universal. "Imagine seu ídolo fazer um show na sua casa, para seus amigos", exemplificou Eboli.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.