Há dúvidas sobre aprovação de capacidade da EFSF

A Eslováquia não conseguiu avançar em sua tentativa de garantir o apoio de um parceiro do governo de coalizão para apoiar a ampliação da capacidade da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês), disse o ministro das Finanças do país, Ivan Miklos.

AE, Agencia Estado

25 de setembro de 2011 | 15h07

"Se será aprovado, é um ponto de interrogação", disse Miklos em entrevista após reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington. "Não sei se teremos progresso nas negociações antes da próxima reunião do grupo" de ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), que acontece entre 3 e 4 de outubro em Luxemburgo.

Miklos deu essas declarações apenas duas semanas antes de o Parlamento eslovaco votar a extensão da EFSF. Dos 17 membros da zona do euro, somente cinco ratificaram um acordo de 21 de julho para ampliar a capacidade efetiva do EFSF para 440 bilhões de euros e dar ao órgão mais poderes de resgate. Até agora, o Banco Central Europeu tem contido uma crise maior através da compra de bônus italianos e de outros países.

Na Eslováquia, o Partido da Liberdade e Solidariedade (SaS), parceiro da coalizão do governo, é contra o mecanismo de resgate temporário da zona do euro. A coalizão de centro-direita da primeira-ministra Iveta Radicova comanda uma maioria de 79 assentos no parlamento formado por 150 membros e precisa dos 22 votos do SaS para avançar com a ratificação do pacote de resgate. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseEuropaMiklos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.