Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Há possibilidade 'concreta' de aprovar reforma da Previdência em 2017, diz Caetano

No Fórum Estadão, secretário de Previdência do Ministério da Fazenda volta a afirmar que fazer a reforma agora evita medidas mais duras no próximo governo

Idiana Tomazelli e Altamiro Silva Júnior, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2017 | 12h31

O secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, afirmou nesta sexta-feira, 1º de setembro, durante o Fórum Estadão, que existe possibilidade concreta de aprovação da reforma da Previdência ainda em 2017. Fazer a reforma agora, disse ele, evita a necessidade de medidas mais duras no próximo governo.

"É bem mais interessante tocar a reforma este ano e aproveitar o ano de 2019 para discutir políticas públicas voltadas para a geração de emprego, o crescimento econômico", afirmou. Por isso, segundo Caetano, aprovar as mudanças previdenciárias este ano representam uma "vantagem política" para o próximo presidente da República.

"Aprovar a reforma agora evitará uma pauta nas eleições (de 2018) que negue o déficit", afirmou o secretário, mencionando críticas de opositores das mudanças na Previdência, com determinadas entidades afirmando que não há déficit nestas contas. "Se alguém negar o déficit, poderá cair em contradição em 2019."

+Falta de idade mínima para aposentadoria privilegia mais ricos, diz Leal

Caetano ressaltou que a reforma proposta pelo Planalto não acaba com o déficit da Previdência, mas impede que a dívida entre em trajetória insustentável. O secretário ressaltou que reformar a Previdência é tarefa complexa em qualquer lugar do mundo e que "focos de resistência" são normais e eram esperados em grupos que sofrem mais alteração com as mudanças.

+'Não há mais gordura a se queimar na reforma da Previdência'

Antes do debate, Caetano disse a jornalistas que o governo está trabalhando "24 horas por dia e sete dias por semanas" para conseguir aprovar a reforma conforme o texto aprovado em maio na Comissão Especial formada na Câmara dos Deputados. Nos cálculos do governo, essa versão preserva 75% do impacto fiscal da proposta original do Planalto.

Perguntado se a delação da JBS prejudicou o andamento da reforma no Congresso, o secretário afirmou que "fatos específicos" e inesperados no mundo político podem alterar votos para a Previdência. Caetano destacou ainda que a Medida Provisória que reonera a folha de pagamentos não teve êxito e voltou a dizer que o governo estuda alternativas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.