ANÁLISE: Há risco de déficit em 2015 e dívida pode explodir em 2018

O Brasil tem um problema estrutural nas contas públicas. As despesas obrigatórias crescem consistentemente acima da renda, com pouca capacidade de controle por parte do poder executivo isoladamente. Mais de 92% dos gastos são determinados por lei, e a sua revisão requer aprovação pelo Congresso.

Marcos Lisboa, Mansueto Almeida*, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2015 | 02h02

Sem aumento da carga tributária, esse processo resulta em maior endividamento e obrigações futuras. Aumentos recorrentes da tributação, no entanto, comprometem o crescimento e a nossa carga tributária de 35% é elevada em comparação com a dos demais países emergentes, em geral abaixo de 30%. 

No final de 2014, o governo definiu a meta de superávit primário de 1,2% e 2% do PIB para 2015 e 2016. Naquele momento, a média dos analistas esperava um superávit primário de 0,5% do PIB em 2014 e crescimento de 0,8% este ano. Não foi isso que aconteceu.

O resultado de 2014 foi um déficit primário de 0,6% do PIB, ou R$ 32 bilhões, e, atualmente, as expectativas são de recessão este ano, com uma queda entre 1,5% a 2%, e estagnação no próximo. 

A queda do PIB se traduziu em queda maior ainda da arrecadação federal, 2,9% no primeiro semestre deste ano, ante o mesmo período do ano passado. Essa queda foi até maior no segundo trimestre do ano (3,7%), apesar das novas medidas de aumento dos tributos.

A maior redução da despesa pública veio do corte de R$ 16 bilhões do investimento, com queda de 36%. Esse corte substancial, porém, não foi suficiente para compensar o aumento das despesas decorrentes das contas em atraso de anos anteriores e o crescimento da previdência, entre 5% e 7% acima da inflação. Na ausência de elevadas receitas extraordinárias, devemos ter um déficit primário este ano. 

A revisão da meta fiscal reflete o grave desequilíbrio estrutural das contas públicas. Corrigi-lo requer medidas legais que revertam a tendência de crescimento da despesa. Caso essa agenda não seja enfrentada, a dívida pública irá aumentar, e pode passar de 70% do PIB em 2018. O ajuste pode ser feito com a deliberação democrática sobre os benefícios a serem mantidos e os a serem revistos. Ou imposto pela realidade em meio a uma crise aguda.

*Marcos Lisboa é vice-presidente do Insper e Mansueto Almeida é especialista em contas públicas.

Tudo o que sabemos sobre:
Meta fiscalcontas públicasdéficit

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.