Hábitos de consumo são investigados na Internet

Com a explosão de portais de Internet no Brasil, investigar a vida do consumidor ficou mais fácil. Ainda que idôneos ou sob a desculpa de praticar marketing, a maioria desses sites costuma instalar rastreadores para acompanhar os movimentos do internauta, que passa a ser alvo de mensagens comerciais (spams), os quais aparecem constantemente nos correios eletrônicos.A Associação Brasileira dos Provedores de Acesso, Serviços e Informações da Rede Internet (Abranet) não consegue controlar o uso das informações obtidas pelos sites. "Todo portal tem uma política de privacidade, mas não cabe à entidade controlar esse uso", diz o coordenador do Grupo de Segurança da Abranet, Roberto Cury. Segundo ele, a invasão pode ser evitada principalmente com o cuidado no preenchimento de questionários ou troca de correspondência.De acordo com o executivo, já há o movimento anti-spam, pelo site www.antispam.org.br, no qual se pode obter dicas para evitar esse tipo de publicidade. Na página do Comitê Gestor da Internet do Brasil (www.cg.org.br/acoes/cartilha.htm), o usuário tem à sua disposição uma cartilha que, além de esclarecer sobre a questão da segurança, fornece informações sobre o uso adequado de senhas e mostra como cuidar da privacidade ou desativar os cookies.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.