Eduardo Munoz/Reuters
Eduardo Munoz/Reuters

Hackers desligam mais um carro em movimento

Pesquisadores de cibersegurança disseram ter conseguido controlar indiretamente um modelo da Tesla Motors

O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2015 | 08h07

Pesquisadores de cibersegurança afirmaram ter assumido o controle de um Model S, da Tesla Motors, e desligado o motor a baixa velocidade. Foi mais uma entre seis falhas significativas que os especialistas encontraram e que podem permitir que hackers assumam controle de veículos, de acordo com o jornal Financial Times.

O vice-presidente de tecnologia da empresa de segurança eletrônica Lookout, Kevin Mahaffey, e o principal pesquisador de segurança da Cloudflare, Marc Rogers, afirmaram que decidiram invadir um carro da Tesla porque a companhia tem a fama de entender mais de software do que outras montadoras, afirmou o FT.

“Desligamos o carro quando ele estava se movendo inicialmente a uma velocidade de cerca de 8 quilômetros por hora”, disse Rogers ao jornal. “Todas as telas (do painel) desligam, assim como a música (do rádio). E o freio de mão sobe, parando (o carro) bruscamente”.

A técnica será detalhada na conferência de segurança eletrônica Def Con em Las Vegas na sexta-feira.

A Tesla confirmou a afirmação dos especialistas em cibersegurança e disse que tornou disponível ontem uma atualização para proprietários do veículo para corrigir o erro.

A empresa, no entanto, disse que os hackers não desligaram o carro remotamente, mas de dentro do veículo.

“Nossa equipe de segurança trabalha em contato direto com a comunidade de pesquisa de segurança para assegurar que continuemos a proteger nossos sistemas contra vulnerabilidades, sempre fazendo testes de estresse, validações e atualizações”, declarou a empresa. 

A Tesla é conhecida por seus carros elétricos e tem como presidente o bilionário Elon Musk.

Fiat Chrysler. O ataque contra o Tesla surge após uma ação similar contra um Jeep Cherokee, da Fiat Chrysler, no mês passado. A descoberta levou a companhia a realizar o recall de 1,4 milhão de veículos nos Estados Unidos.

A pedido de um jornalista da revista Wired, dois experientes hackers conseguiram invadir o sistema do Jeep Cherokee enquanto ele trafegava por uma estrada afastada perto de St. Louis, no Missouri, Estados Unidos. À distância, conseguiram manipular o som e o ar condicionado do veículo, além de fazê-lo parar.

Esta semana foi revelado que a Fiat Chrysler sabia da vulnerabilidade explorada pelos hackers há 18 meses, mas não avisou as autoridades de segurança de trânsito. Documentos obtidos pela Bloomberg mostram que a falha havia sido observada em janeiro de 2014. A montadora alega que não comunicou o fato pois não acreditava se tratar de algo que oferecesse riscos à segurança.

 

A Harman, fabricante do sistema de entretenimento conectado usado no Jeep Cherokee, afirmou que a vulnerabilidade não parece estar presente em outras marcas e modelos de veículos que usam o equipamento. (Com agências internacionais).

Tudo o que sabemos sobre:
Internetcibersegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.