Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Mourão aposta em redução dos preços da Petrobras e chama alta do petróleo de ‘histeria’

Apesar do prognóstico de queda no preço do petróleo, vice-presidente descartou que o litro da gasolina volte ao patamar dos R$ 4 no País

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2022 | 14h39

BRASÍLIA - Em linha com o presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão, que se filia ainda hoje ao Republicanos para disputar o Senado pelo Rio Grande do Sul, apostou nesta quarta-feira, 16, em uma redução dos preços dos combustíveis cobrados pela Petrobras, diante da recente queda do petróleo no exterior. Por outro lado, o general chamou a alta anterior da commodity, que levou ao reajuste da estatal, de “histeria”.

“Essa questão do preço do petróleo é muita histeria. Porque hoje uma variação, vamos dizer assim, violenta no preço do petróleo é fruto primeiro da questão da pandemia, no retorno da atividade econômica, posteriormente desse conflito absurdo lá da Rússia e da Ucrânia. Aí, óbvio, o mercado começa a se reequilibrar”, declarou o vice-presidente a jornalistas na chegada ao Palácio do Planalto. “[O barril de petróleo] Bateu nos US$ 139, já está em US$ 99, US$ 98. É óbvio, essa flutuação, acredito que a Petrobras vai encaixar isso aí e vai haver uma redução [no preço dos combustíveis]”, acrescentou. 

Os contratos futuros de petróleo operam em queda nesta quarta-feira no mercado internacional diante da percepção de investidores de um arrefecimento na guerra entre a Rússia e a Ucrânia. O barril do petróleo Brent, referência, está cotado ao redor dos US$ 98. A política de preços adotada pela Petrobras determina reajustes atrelados ao exterior.

Apesar do prognóstico de queda no preço do petróleo, Mourão descartou que o Brasil volte a pagar R$ 4 pelo litro de gasolina. “Uma realidade a gente tem que entender: o preço do combustível, fruto até da questão da transição energética que nós temos de viver, não vai voltar aos patamares que a gente gostaria. Não vamos mais, na minha visão, pagar R$ 4 por litro de gasolina, vai ser difícil isso acontecer", avaliou o vice-presidente.”Pode baixar, voltar para meia dúzia [R$ 6]”.

Questionado sobre a demora dos postos de combustíveis em assimilar a queda nos preços da Petrobras sobre o valor cobrado na bomba, Mourão falou em “cartelização”. “Ainda há muita cartelização nesse setor, aí compete esses setores encarregados da defesa do consumidor impedir que isso ocorra”, declarou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.