Hatoyama espera que a Toyota reforce a segurança dos carros

Após encontro com o executivo Akio Toyoda, primeiro-ministro declarou que audiência "não é ponto final"

Efe,

25 de fevereiro de 2010 | 03h53

CRISE DE IMAGEM - Desde novembro de 2009, montadora japonesa fez recalls em mais de 8 milhões de carro em todo o mundo

 

O primeiro-ministro japonês, Yukio Hatoyama, disse nesta quinta-feira, que espera que a Toyota reforce a segurança de seus carros, horas depois do comparecimento de Akio Toyoda, presidente da empresa, a uma audiência no Congresso dos EUA.

 

Hatoyama avaliou positivamente a participação de Toyoda na audiência do Comitê de Supervisão e Reforma Governamental da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, mas disse que a audiência "não é o ponto final" informa a agência local Kyodo.

 

Em declarações à imprensa, o primeiro-ministro disse que a montadora deve agora "dar toda atenção à segurança, pois as pessoas estão preocupadas", e pediu para a empresa manter a postura de implementar melhorias quando for necessário.

 

Hatoyama seguiu o exemplo de outros membros do Governo japonês e pediu à Toyota, maior empresa manufatureira do Japão, que continue se esforçando para garantir suas operações e fornecer explicações aos consumidores.

 

Toyoda ouviu perguntas de parlamentares americanos, e lamentou "profundamente" os acidentes causados pelos problemas de aceleração repentina em alguns de seus veículos.

Em Washington, o presidente da montadora afirmou que o grande ritmo de crescimento da Toyota afetou as normas de segurança e determinou as medidas para corrigir os problemas atuais e prevenir mais tragédias.

 

Desde o final de novembro a companhia realizou recalls que atingiram mais de oito milhões de carros, principalmente nos EUA e na Europa, por possíveis erros do acelerador, enquanto no Japão os principais problemas estavam no software do sistema de freio de veículos híbridos. Cerca de 437 mil unidades desse tipo de carros foram revisados no mundo todo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.